Lírio entre espinhos

Uma família católica buscando a santidade

Author: Rayhanne Simon Dardengo Zago (page 1 of 3)

Visitas ao recém nascido

Tempo de leitura: 5 minutos

Um hábito antigo

Parece ter sido sempre comum o fato de que quando nasce um bebê, todos devem ir visitá-lo. Em nossa cultura isso acabou se tornando uma regra social a ser cumprida. É normal que haja certa ansiedade principalmente dos familiares para conhecer o novo bebê, mas antes de sair correndo, leia com atenção o post a seguir, para entender o que acontece quando chega um bebê numa família. A empolgação e a ansiedade de parentes e amigos para verem o recém-nascido podem se transformar num verdadeiro tormento para os pais e para o próprio bebê, contudo existem indicações que evitam situações inoportunas e fazem com que as visitas sejam um verdadeiro oásis.

Um bebê nasceu

A chegada de uma criança ao mundo é um motivo de grande celebração, uma enorme alegria, um precioso dom de Deus. No entanto, é preciso ter calma, porque nesse momento a família ganha um novo membro e precisa se adaptar às mudanças que acontecem.

Quando um bebê nasce, ele deve ser respeitado em sua saúde, em sua harmonia, em suas necessidades. Um recém nascido não precisa conhecer pessoas que ele não irá se lembrar, não precisa de presentes, de colos, de estresse, de fotos no facebook. Ele precisa da sua família (pai, mãe e irmãos), de ser alimentado, ambiente calmo (silêncio natural da casa, que não é sinônimo de ausência de sons), fraldas limpas e outras coisinhas mais.

As primeiras semanas e talvez os primeiros meses, a depender da família, serão um período intenso de adaptação e atenção ao recém nascido. Por isso, não fique chateado se a família não te der muita bola, afinal a prioridade é o bebê e não as visitas. Até porque grande parte dos bebês demandam muito, seja da amamentação ou sofrendo com cólicas, além de todo o resto que a família tem de manejar.

A mãe

Quando nasce um bebê, nasce uma mãe, seja a mãe do primeiro filho, a mãe do 2°, do 3° ou do 15°. Todo nascimento reclama em nós uma nova maternidade. Mas será que alguém se lembra disso? Muito raramente. A ansiedade em conhecer o bebê é tão grande que a pobre mãe é deixada de lado em sua fragilidade.

Vamos por partes. Os dias de maternidade são um momento delicado, seja de parto normal ou de cesárea, que deixa a maioria das mulheres cansadas, sensíveis e frágeis, talvez com dores nos pontos ou nos seios que podem já estar feridos ao amamentar. Como o bebê mama muito, a maior parte do tempo a mulher estará oferecendo o seio, o que para muitas, pode ser um contrangimento ter de fazer isso na frente de outras pessoas, principalmente por ter de ajeitar a pega e tudo o mais. Sem falar do cansaço, que para algumas, pode ser paralisante.

E, não só por isso, a própria baixa hormonal do corpo pode fazer com que as mulheres passem um tempo com dificuldade de conviver com outras pessoas, lidar com situações estressantes, com os conselhos alheios e sintam-se até mesmo com a privacidade invadida ou inseguras diante de certas situações, o que pode contribuir até mesmo para a baixa produção de leite materno. Isso não é um motivo para se vitimizar e colocar a mãe em um pedestal como se apenas a vontade dela devesse imperar. Mas o bom senso pede que haja muito diálogo entre o casal para que cheguem a um consenso.

E o outro lado também acontece! Para algumas mulheres os hormônios clamam por companhia! Há mulheres que adoram visitas e querem receber todo mundo, principalmente quem puder ir para ajudar! Portanto, não há regra, o que precisa haver é diálogo e respeito, empatia, colocar-se no lugar do outro.

A dica de ouro para as mães talvez seja: sejam vocês mesmas. Às vezes deixamos de receber visitas porque ouvimos várias pessoas dizendo que visita só atrapalha e acabamos nos isolando, sofrendo sem necessidade. Ou então acabamos recebendo visitas mesmo sem estarmos em condições, apenas para agradar as pessoas. O feminismo também nos deixou uma terrível herança, a de acreditar que devemos ser sempre autossuficientes. Isso não é verdade, todos precisamos de ajuda seja para que alguém lave nossa louça, para que nos dê conselhos ou um belo puxão de orelhas para nos encaminhar para o Céu.

O que pode acabar acontecendo muitas vezes é que acabemos nos isolando e afastando as pessoas, e isso também não é saudável. Não podemos ser também bonecas de porcelana que se quebram ao menor sopro. É preciso prudência para respeitar a fragilidade e não fazer disso uma desculpa para nos vitimizarmos.

E, quando nos dispusermos a receber alguém, não nos coloquemos em posição defensiva, principalmente a respeito dos famosos ”pitacos”. Existem muitas pessoas inconvenientes, é verdade, mas a maioria é bem intencionada e só quer ajudar. Nenhuma de nós nasceu sabendo criar filho. Por isso, aprendamos a ouvir tudo, reter o que é bom e responder apenas o que for necessário (como no caso de impor algum limite).

 

O pai

É muito importante o diálogo entre o casal. O pai deve pensar primeiramente no bem-estar da mãe e do filho e poupá-los de maiores estresses. No caso de expor as regras à família dele, deixe ele se impor. Se for com a família da mãe, ela se responsabiliza. A família sente-se no direito de ver o bebê, mas acredito que explicando de forma terna e educada, ninguém será antipático. Muitas vezes o pai ignora a situação da mãe e do bebê por querer receber sua família, amigos do trabalho e tanto mais. Isso acaba colocando a família em conflito em um momento que era para ser de acolhimento, entendimento e cumplicidade.

Este momento é uma possibilidade de grande crescimento também para o pai visto que ele terá a oportunidade de ser muito virtuoso tomando a frente nos afazeres do lar, no cuidado com os demais filhos e, principalmente, com a esposa, que pode estar fragilizada, precisando ainda mais do marido!

Algumas considerações

  • Não fique com receio de visitar, apenas ligue antes para perguntar sobre a possibilidade de ir e não se chateie se a família não puder/quiser te receber;
  • Se aceitarem a visita, pergunte o que pode fazer para ajudar. Ou, mesmo se a visita ficar para outro dia, seja paciente e caridoso, demonstrando que está disponível para alguma necessidade;
  • Pergunte antes se pode levar as crianças e se alguma delas estiver doente, deixe a visita para outra hora;
  • Não fume e não use perfumes ou cremes;
  • Lave bem as mãos quando chegar na casa da pessoa;
  • Espere a família oferecer para pegar o bebê. Existem pais que não gostam que pegue o bebê no colo e outros que não se importam;
  • Só tire fotos se a família permitir e antes de publicar nas redes sociais, peça permissão, afinal o bebê não é seu;
  • Não beije o bebê principalmente no rosto ou nas mãos;
  • Faça visitas rápidas a não ser que a família queira te receber por mais tempo;
  • Segure os palpites inconvenientes, mas não os bons conselhos!

O que posso fazer para ajudar?

Ponha a mão na massa, assim como Nossa Senhora foi ajudar Santa Isabel! Se ofereça para ficar com as outras crianças, para limpar a casa, leve uma comida, converse sobre tudo e mais um pouco, seja rápido se essa for a vontade dos pais, enfim, tanto!

Não existem regras absolutas para visitar um recém nascido ou como se comportar. Logicamente há normas básicas de higiene que devem ser respeitadas, pois é muito triste um recém nascido que se adoenta e até mesmo chega a óbito porque uma visita não tomou medidas básicas, já que a imunidade do neném é quase zero. Não precisa ser o louco do álcool em gel, mas lavar as mãos, não beijar o bebê e não o visitar estando doente já estão mais do que suficientes! O bebê irá crescer e logo estará na companhia de todos!

O mais importante de tudo é respeitar a família: o pai, a mãe, o bebê e as crianças. Cada família é única e gosta de agir de uma forma. Uns não gostam de visitas, outros adoram! Não há maneira correta e não deve haver julgamento, mas empatia, compreensão e muito bom senso.

A verdadeira dignidade da mulher – parte 2

Tempo de leitura: 5 minutos

Ontem lançamos a primeira parte do artigo ”A verdadeira dignidade da mulher.” Hoje trouxemos sua continuação!

Desfiguração do ser feminino: o feminismo

Sob a premissa de uma suposta luta por igualdade entre os sexos, excelente combustível do marxismo cultural, o feminismo foi ganhando espaço entre nós. Mas que igualdade é essa? Se pararmos para estudar e pensar, no fundo, a raiz do feminismo é um ódio ao feminino, pois busca transformar as mulheres em homens. Deus nos criou, ao homem e à mulher, iguais em dignidade, a Sua imagem e semelhança, mas quis que houvesse diferenças entre os dois sexos. Estas diferenças entre “ser homem” e “ser mulher” fazem com que exista uma complementariedade entre nós, não para que sejamos um maior do que o outro, mas sim uma perfeita harmonia.

Dizer que não há mulheres que sofram, que não exista uma realidade de opressão ou homens ruins é fechar os olhos para uma realidade tão triste como a das mulheres do oriente (como as muçulmanas) e negar a existência do pecado original. Há sim situações em que mulheres, até mesmo próximas de nós, são humilhadas, violentadas, e tudo isso é consequência do pecado, não da natureza da mulher e do homem, muito menos de Deus. O feminismo não busca resolver esses problemas, visto que para isso é necessária uma cruzada pela santidade. Ao contrário, ele busca culpar o homem e vitimizar a mulher até mesmo quando a situação exige justiça. Há inúmeros casos de mulheres que cometem abusos até mesmo de seus próprios filhos, que traem, que humilham seus esposos e tanto mais.

Toda a tragédia do feminismo contemporâneo tem sua origem na falta de fé e na perda do sentido sobrenatural. Vivemos em um mundo tão profundamente mergulhado no secularismo que a maioria de nós sequer tem noção de que somos influenciados por essa desastrosa ideologia. A ”filosofia” do feminismo ao declarar guerra à feminilidade está, na verdade, declarando guerra à Cristandade, afinal, o grande aliado das mulheres é Cristo.

Aos poucos o feminismo veio trazendo para a sociedade valores que foram sendo absorvidos e tidos como normais, em busca de uma certa liberdade da mulher. Mas que liberdade seria essa? Pesquisas apontam que as mulheres de hoje estão mais infelizes do que jamais estiveram nos últimos 35 anos.⁶ A suposta liberdade tão ferrenhamente defendida pelas feministas na verdade é uma prisão.

O surgimento das pílulas anticoncepcionais liberou a mulher de que? De ter filhos? Não, liberou-a da pureza. Arrancou dela a virtude e a dignidade e a jogou na lama do pecado e da depravação, tornando-a objeto para os homens. Arrancou dela o amor e a consciência da sua vocação, originada em Deus, raiz de sua felicidade terrena e eterna, dando para ela um útero estéril, doenças físicas (trombose, DSTs e tantas outras) e uma consciência tão pobre e deturpada que renega a sua própria natureza de ser mãe.

O divórcio liberou a mulher de que? De uma instituição social? Não, liberou-a da segurança de um relacionamento estável, de um homem que lhe provesse em suas necessidades, de uma família firme na rocha que é Cristo. Colocou-a no último dos lugares, dependendo de pensões, submetendo seus filhos a situações de estresse, falta de estabilidade, brigas, isso quando não fazem seus animais de estimação de filhos, com medo de envelhecer, travando uma luta contra o ritmo natural do próprio corpo, preocupadas em atrair relacionamentos fracassados que só buscam o prazer, vazio existencial e tanto mais. Jogou-a no mercado de trabalho a pontapés.

A igualdade entre os sexos a liberou de que? De uma opressão por ser considerada inferior? Não, liberou-a de ser ela mesma, de ser mulher, da sua própria feminilidade que é um dom, uma riqueza, que é belo, que é profundo, que traz felicidade, que realiza. Transformou-a em um ser raivoso, obscena, vulgar e irada, incapaz de se sacrificar por alguém, petulantes, superficiais, maliciosas e exageradamente sensuais. Arrancou toda a sua ternura, sensibilidade e deu a ela a triste realidade de ser manipuladora, fofoqueira, ansiosa e ambiciosa. Arrancou sua natureza espiritual profundo, deixando-a um ser oco, vazio, onde abundam partes do corpo mas falta alma. Ela quer tanto ser um homem que tem se liberado das normas mais básicas de higiene para se parecer com ele, transformando-se em um ”macho mal acabado”.

A ida ao mercado de trabalho liberou a mulher de que? Da humilhação de depender de um marido que a provesse em suas necessidades? Não, liberou-a da sua própria família, da sua felicidade, do seu reino que é o lar para jogá-la na sarjeta das empresas que não estão interessadas em mais nada do que em escravizá-las. Arrancou a mulher do seu reino calmo e tranquilo para subjugá-la em um ambiente estressante, sugando todas as suas energias e tempo para que não se dedique a família, para que não se case, para que se divorcie, não tenha filhos e passe a sua vida acreditando que está fazendo uma grande obra, quando na verdade está erigindo um castelo de areia.

O caminho de volta

Uma coisa é certa: quando chegar a hora, nada que tiver sido produzido pelo homem subsistirá. Um dia, todas as realizações humanas serão reduzidas a um monte de cinzas. Por outro lado, todas as crianças nascidas de mulher viverão eternamente, pois a elas foi concedida uma alma imortal, feita à imagem e semelhança de Deus. Sob essa luz, a afirmação de Simone de Beauvoir de que “as mulheres não produzem nada”, mostra-se especialmente ridícula.”

É preciso trilhar o caminho de volta para casa e isso significa duas coisas: mais do que voltar para o lar, principalmente, devemos voltar para Deus, caminhando dentro de nós, redescobrindo, à luz da fé a nossa autêntica natureza, missão e vocação. É um caminho árduo mas essa é a verdadeira libertação da mulher, que a libera de tantos estereótipos e a faz fiel ao plano de Deus, Sabedoria Infinita, que lhe criou única, um jardim com tantas flores, um castelo ornado com tantas joias.

Essa é a nossa coroa de glória: a família. Coroa que tantas vezes floresce, mas na maior parte das vezes é de espinhos. As pequenas recompensas recebemos todos os dias, mas a grande recompensa está guardada para o entardecer da vida. Só quem tem os olhos voltados para o Alto consegue entender e enxergar coisas que passam tão despercebidas para aqueles “que tem olhos mas não veem” (cf. Salmos 113, 13). Verdadeiramente, a Cruz para o mundo é loucura, mas para nós que cremos, é salvação.

Que os nossos olhos aprendam do modelo perfeito da feminilidade, Maria Santíssima, mulher forte por excelência e só assim seguiremos seguras pelo caminho que mais do que nos realiza, faz de nós santas, amantes do único Amor amável, fonte de todos os amores, o Doce Jesus.

Referências

5 Alice von Hildebrand, O privilégio de ser mulher

Phyllis Schlafly, O outro lado do feminismo

 

Aproveito para indicar outros livros:

Kimberly Hanh, Amor que dá vida

Mary Pride, De volta ao lar

Pe. Geraldo Pires, As três chamas do lar católico

Pio XII, Casamento e família

A verdadeira dignidade da mulher – parte 1

Tempo de leitura: 4 minutos

Por que precisamos falar do que é verdadeiramente ser mulher?

Definitivamente estamos em uma época chave, pois vivemos em um mundo que encontra-se totalmente desestabilizado, onde nós, mulheres, não sabemos mais quem somos.¹ Muitos discursos são empregados a esse respeito e talvez, muito facilmente, por desconhecer a nossa origem e nosso fim, podemos ser seduzidas por eles. Como nos diz o Pe. Fuentes, IVE, em seu livro ‘Elogio de la mujer fuerte’,² ante uma sociedade andrógina com a nossa, a mulher deve entender sua maravilhosa missão – dom de Deus – , que passa por compreender em todas as suas dimensões sua vocação de Filha, Esposa e Mãe.

Há um grande mito: o de que a Igreja é a grande promotora da opressão e humilhação das mulheres. Na verdade, foi o Cristianismo que libertou a mulher da condição de quase escrava em que ela se encontrava no mundo pagão. Cristo resgatou a mulher e não é preciso ir tão longe na história, basta apenas recordar do grande dia da Anunciação, onde Deus se fez carne no ventre dA mulher, Maria Santíssima, Mãe do Verbo Encarnado, Mãe de Deus, Mãe da humanidade, nossa Mãe. A mais alta dignidade foi conferida a uma mulher e assim Maria Santíssima elevou a dignidade de todas as mulheres.

As mulheres encontraram na Igreja, conforme a sua própria condição, seu lugar digno: foi-lhes permitido formar comunidades religiosas dotadas de governo próprio, dirigir suas próprias escolas, conventos, colégios, hospitais e orfanatos, coisa impensável no mundo antigo. ³ Quantas mulheres se destacaram no Cristianismo desde o seu início, como Santa Helena, Santa Joana D’Árc, Santa Hildegarda, Santa Catarina de Sena, Santa Teresa e tantas outras santas, casadas, virgens, mártires. O grande problema é que para o mundo esses exemplos não importam.

A mulher sempre foi a salvaguarda da família, das tradições, dos valores. Ela, como esposa, mãe, educadora é a grande responsável pela formação de uma sociedade virtuosa e por isso hoje é tão atacada. Através de um plano diabólico arquitetado (isso é assunto para outro post) o feminismo veio sendo instaurado em nossa sociedade, levando a mulher a perder o sentido da sua dignidade que só pode ser entendida e vivida em Deus, Aquele que nos criou, que nos conhece, que nos deu uma vocação, nos deu uma estrutura e para o qual hemos de voltar um dia. E se a mulher é destruída, toda a sociedade sucumbe com ela. Já dizia o Arcebispo Fulton Sheen que o nível de qualquer civilização é o nível de sua feminilidade.

A maternidade

São João Paulo II na época de seu pontificado escreveu uma carta apostólica chamada Mulieris Dignitatem que trata da vocação e dignidade da mulher. Nela, ele explica que há uma riqueza que configura o gênio próprio da mulher, o chamadoingenium mulieris’que é a mulher como foi concebida em sua natureza. E o que é próprio da mulher? A maternidade. É uma capacidade inata e exclusiva da mulher.

“Os recursos pessoais da feminilidade certamente não são menores que os recursos da masculinidade, mas são diversos. A mulher deve entender a sua «realização» como pessoa, a sua dignidade e vocação, em função destes recursos, segundo a riqueza da feminilidade, que ela recebeu no dia da criação e que herda como expressão, que lhe é peculiar, da «imagem e semelhança de Deus».” (§10)

Não podemos masculinizar a mulher porque seria um empobrecimento trágico e uma revolta contra Deus Criador. Mas, o que temos visto em nossos dias é que o feminismo nos vem conduzindo a uma apropriação cada vez mais caricata dos trejeitos masculinos (sobretudo dos vícios), fazendo com que percamos a nossa originalidade própria e os recursos que apenas a feminilidade nos pode fornecer.

“Não se pode sob pretexto algum conduzir à «masculinização » das mulheres. A mulher não pode tender à apropriação das características masculinas, porque é contra a sua própria «originalidade» feminina. Existe o temor fundado de que por este caminho a mulher não se «realizará», mas poderia, ao invés, deformar e perder aquilo que constitui a sua riqueza essencial. Trata-se de uma riqueza imensa. Na descrição bíblica, a exclamação do primeiro homem à vista da mulher criada é uma exclamação de admiração e de encanto, que atravessa toda a história do homem sobre a terra.” (§10)

Só em Deus encontramos nossa autêntica originalidade. A plenitude da perfeição da vocação feminina está em Maria Santíssima, nosso grande modelo. Na Encarnação do Verbo encontramos as duas dimensões da vocação feminina: a Maternidade e a Virgindade.

“A graça nunca dispensa nem anula a natureza, antes a aperfeiçoa e enobrece. Portanto, a «plenitude de graça», concedida à Virgem de Nazaré, em vista do seu tornar-se «Theotókos» (mãe de Deus), significa, ao mesmo tempo, a plenitude da perfeição daquilo «que é característico da mulher», daquilo «que é feminino». Encontramo-nos aqui, em certo sentido, no ponto culminante, no arquétipo da dignidade pessoal da mulher.’’ (§5)

Toda mulher que atinge a plenitude da sua maturidade tem o coração de mãe, isso engloba a vocação matrimonial e religiosa. Rejeitar a maternidade é ir contra o plano de Deus criador, é não desejar atingir a maturidade humana e espiritual a qual fomos destinadas, e, mais ainda, é não desejar a nossa salvação, visto que está escrito: “A mulher será salva pela sua maternidade” – 1Tm 2,15

No próximo post, que sairá ainda nessa semana, falarei sobre a desfiguração do ser feminino e a importância de trilhar o caminho de volta para nossa verdadeira essência.

Referências

1 Jo Croissant, A mulher sacerdotal

2  Pe. Fuentes, IVE, Elogio de la Mujer Fuerte

3 Thomas E. Woods Jr, Como a Igreja Católica construiu a civilização ocidental

4 São João Paulo II, Mulieris dignitatem

 

 

Aproveito para indicar outros livros:

Kimberly Hanh, Amor que dá vida

Mary Pride, De volta ao lar

Pe. Geraldo Pires, As três chamas do lar católico

Pio XII, Casamento e família

 

Rotina do Bento: 1,5 a 2,5 anos

Tempo de leitura: 8 minutos

 

Terminei, há pouco, o quadro de rotina do Bento que irá funcionar a partir de março desse ano até ele completar 2,5 anos. Deixei o planejamento em funcionamento de teste por um tempo, para verificar o que deveria ser modificado antes de finalizá-lo.

Quando ele tinha 11 meses, disponibilizei seu quadro de rotina que funcionaria até 1,5 ano. Poucas coisas mudaram. Acredito que nessa fase o mais importante seja brincar, ter uma boa rotina e desenvolver bons hábitos. Nada de matérias, atividades sem fim, cursos, estímulos desnecessários e tanto mais.

Penso que, atualmente, com tanta ênfase na vida intelectual, muitos aspectos da vida e da educação das crianças tenham ficado (erroneamente) restritos à essa esfera. O ritmo cada vez mais veloz dos nossos dias também impõe às nossas crianças uma corrida, deixando para trás, muitas vezes, não somente seu ritmo natural de desenvolvimento, mas também, tristemente, a sua infância, por uma adultização cada vez mais precoce.

O “mito do enriquecimento”, interpretação equivocada da literatura neurocientífica, baseia-se na falsa crença de que há períodos críticos durante os quais temos que superestimular as crianças, e não fazê-lo resultaria em “oportunidades perdidas para sempre”. As coisas simplesmente não são assim. A criança pode aprender em um ambiente normal. Não precisamos ficar obcecados por enriquecer o ambiente, convertendo-nos em recreadores atarefados ou animadores de festa infantil.¹

A rotina do Bento é bem flexível, por isso divido o dia em blocos e não tenho dificuldade de deixar de fazer algo se precisar tornar o dia mais leve. Isso é importante também. Provavelmente algumas coisas ficarão suspensas quando a Isabel nascer e aos poucos irão retornando a seu tempo, modo e lugar.

Leitura em voz alta

Isso é o que mais fazemos durante o dia. O Bento simplesmente ama ler e, além dos momentos já preestabelecidos de leitura, ele está sempre pedindo para ler um livro ou outro, várias vezes seguidas pelo dia a fora. Eu preestabeleci esses momentos mais para direcionar a mim do que a ele, para que eu possa realizar diferentes tipos de leitura.

Eu divido livros por blocos semanais, para que, ao mesmo tempo em que se tenha rotatividade de uma semana para outra, ele também possa trabalhar a memória lendo os mesmos livros em dias seguidos. De fato, ele já começou a decorar vários dos livros que temos.

Para ampliar o vocabulário, além dos livros de palavras que utilizamos, estabeleci o objetivo de inserir dois livros novos por mês. E temos o hábito de nomear as coisas o tempo todo.

A evolução da linguagem dele tem sido impressionante. Com 1a4m começou a silabar algumas palavras e com 1a5m começou a falar de fato. Em 15 dias já juntava duas palavras e aprendia várias palavras novas por dia. Hoje, com quase 1a6m ele já forma pequenas frases com 4 palavras, tem muitas pronúncias quase perfeitas, já consegue acompanhar algumas músicas e orações que repetimos sempre. Aprende muitas palavras ao ouvir apenas uma vez. Acredito que grande parte dessa evolução se deva a leitura, hábito que inserimos desde que ele nasceu.

Musicalização

Tenho investido em apresentar músicas variadas, embora ele goste sempre das mesmas. Gostamos muito do CD do Carlos Nadalim, Palavra Cantada, Mozart, Corelli, Bach, Música clássica em geral, Gregoriano, Cantigas de Roda, Músicas tradicionais/populares católicas, medievais.  Além de colocarmos para ele ouvir, temos o hábito de cantar com ele. Há um tempo ele começou a cantarolar sozinho, criando suas próprias músicas.

Também temos o hábito de trabalhar sons de fonemas usando exemplos de animais, como ”a abelha faz zzzzzzzz” e imitar os sons dos bichinhos.

Apesar da música ser ótima para as crianças, não deve ser usada o dia todo. Helena Lubienska² em seu livro ”Silêncio, gesto e palavra” e o dr. Ítalo³ em seu curso sobre Afetividade Infantil deixam bem claro que o ambiente natural da criança deve ser composto de silêncio (aqui toma-se por barulho os gritos, excesso de estímulos auditivos ou visuais, discussões, etc), ordem e tranquilidade.

A educação na beleza

Diziam os gregos que a beleza é “a expressão visível da verdade e da bondade”.  Diante disso, para uma criança, é belo tudo o que respeita a verdade e a bondade do que sua natureza exige. A beleza, para a criança, é tudo aquilo que respeita seus ritmos, as etapas de sua infância, sua sede de mistério, sua necessidade de silêncio, seu encantamento pela natureza, pela realidade, mas além disso, é preciso rodear a criança com a beleza da vida (real e artística). Sendo assim, com belas imagens, por isso é importante ter cuidado com os livros apresentados, com os lugares frequentados, etc; Com músicas educativas de  verdade, ricas em instrumentos, em qualidade de composição e por aí vai. Nada de Galinha Pintadinha, pois nossas crianças merecem e são capazes de apreciar algo muito melhor do que o repetitivo popopó…

Artes

Escolhi o dia de quinta feira para realizar com ele alguma atividade de Artes específica e que precise de alguma preparação, já que nos outros dias basicamente é pintura com giz de cera, massinha ou tinta. Procuro muitas inspirações no Pinterest!

Ar livre

Todos os dias, no fim da tarde, o Gabriel leva o Bento para brincar no parquinho, correr, andar de bicicleta com ele. E nos finais de semana reservamos o domingo para passeios em lugares abertos, já que aqui temos uma grande disponibilidade de parques.

Já escrevi um pouco sobre a necessidade do ar livre, mas recordo alguns benefícios:

  • Afasta o sedentarismo, a preguiça e a passividade;
  • Aprimora os sentidos;
  • Descansa, acalma, fortalece (os músculos, a imunidade e a vontade);
  • Impulsiona a criatividade;
  • E tanto mais!

Nada de dispositivos eletrônicos

Permanecemos com a convicção de não expor o Bento aos aparelhos eletrônicos como celular, televisão, tablet, computador, brinquedos com muitas luzes e sons.

Para quem não sabe, as principais associações pediátricas do mundo insistem em que as crianças com menos de dois anos não devem ser expostas a tela nenhuma e que aquelas entre dois e cinco não devem ser expostas por mais de uma hora ao dia. Não se trata de uma questão educativa, mas de uma questão de saúde pública, que diz respeito à saúde neurológica de nossos filhos, dado que a exposição às telas nessa faixa etária está associada, segundo estudos, à falta de atenção, à impulsividade, ao déficit de aprendizagem, à diminuição do vocabulário etc. O que ocorre é que há muitos mitos tecnológicos por aí, crenças de que as telas favorecem o aprendizado. A Associação Canadense de Pediatria declarou formalmente em 2017: “Não há estudo que respalde a introdução da tecnologia na infância.”

Quando a criança é bombardeada com estímulos contínuos, se acostuma com a motivação externa e sua curiosidade fica adormecida. Então, desaparece o motor interno que a leva a fazer descobertas. Ela deixa de prestar atenção ativamente e se torna desatenta, entediada, ansiosa, hiperativa… Busca sensações novas, ritmos cada vez mais rápidos, fica viciada em velocidade. Eventualmente, a criança não está adaptada à realidade e deixa de prestar atenção, porque a realidade é lenta e exigente, e, então, tudo a aborrece.  Os dispositivos tecnológicos são altamente viciantes, pois introduzem a criança em um círculo de recompensas que se dá por meio da produção do hormônio da dopamina.

Grande parte das pirraças infantis são por excesso de estímulos: muito tempo exposto a luzes no shopping, lojas, supermercados ou as luzes das telas, muitos sons, falta de rotina. Os hiperestímulos causam perturbação na criança e a deixam confusa e irritada.

Esse é um tema que merece vários posts. Aguardem!

Vida de oração

Pela manhã, a oração do Bento é um ato de agradecimento a Deus pela noite e novo dia e oferecimento do dia. Além disso, rezamos o Santo Anjo, a devoção das 3 Ave Marias e leio o Evangelho em voz alta, fazendo uma brevíssima reflexão. Eu rezo as Laudes pela manhã e ele me observa, enquanto brinca.

Durante o dia procuro motivá-lo a dizer jaculatórias e orações breves e espontâneas, para desenvolver nele a intimidade com Deus e o mistério da inabitação (somos morada Dele).

Rezamos o Angelus e a Oração das Refeições antes das refeições principais. No fim da tarde, quando o Gabriel chega, rezamos o Santo Terço e após o jantar, as Completas. Antes de dormir, o Gabriel reza com ele em seu quarto.

Ele acompanha nossa vida de piedade, mas não exigimos dele atitudes adultas. Por exemplo aos sábados rezamos o Ofício da Imaculada, nas quartas a Via Sacra, na quinta fazemos Adoração, na sexta temos direção espiritual/confissão, no sábado temos Eutrapelia e aos domingos, como ápice da semana, vamos à Santa Missa pela manhã e também lemos crônicas dos missionários da nossa Família do Verbo Encarnado.

Graças ao bom Deus temos um convívio maravilhoso e frequente com os padres e as irmãs, que é, para nós e para os nossos filhos um ”antecipo do Céu”.

A partir de agora começarei uma breve e leve catequese, trabalhando de forma mais enfática e profunda algumas Histórias Sagradas que já apresentamos de maneira mais informal. Isso é assunto para um outro post.

Cultivando bons hábitos

Muito mais importante do que ensinar conceitos nessa idade, é ensinar bons hábitos. Por isso, temos nos dedicado a ensiná-lo:

  • Expressões e gestos de cumprimento (bom dia, boa tarde, oi, tudo bem);
  • Expressões de desculpa, por favor e dar licença;
  • Desenvolvendo auto estima;
  • Gosto e cuidado em estar limpo (escovar os dentes, pentear o cabelo, esfregar o cabelo, lavar as mãos, desfralde) ;
  • Gestos de oração e o gosto por rezar (Sinal da cruz, mãos postas) ;
  • Guardar os seus brinquedos e livros no lugar;
  • Colocar a roupa suja no cesto;
  • Jogar a fralda suja no lixo;
  • Regar as plantas;
  • Bons hábitos alimentares (alimentação variada, introdução de açúcar aos poucos) ;
  • Sentar-se a mesa (manuseio dos talheres, comportamento, momento social) ;
  • Bons hábitos de sono;
  • Cumprir pequenas ordens;
  • Corrigir pequenos defeitos;
  • Participar das tarefas domésticas;
  • Afetividade;
  • Pequenas virtudes;
  • Entre outras coisas.

Muitas dessas coisas ele já faz, outras ele está conquistando e outras são objetivos a serem alcançados. Escreverei mais sobre a aquisição dessas competências em outro post.

Psicomotricidade

Permanecemos usando o livro ”Slow and Steady, get me ready”. Mas, mais do que isso, ele está sempre inserido nas atividades domésticas e tem liberdade para explorar o ambiente. Esse livro é muito bom porque temos de construir os brinquedos com coisas velhas, do dia a dia, assim o Bento acaba participando e sendo educado em aproveitar as coisas. Sobre essa questão dos brinquedos costumo fazer um rodízio, mas investimos pouco em brinquedos, principalmente para não estimular o materialismo e o consumismo. E, quando vamos comprar, procuramos investir em brinquedos duráveis, como os de madeira.

Gosto de estimulá-lo com coisas do dia a dia, seja com textura de alimentos ou objetos para ele tocar, ou com coordenação motora tentando encaixar a chave na fechadura ou as tampas nos potes. Pretendo começar a trabalhar receitas com ele também.

Consciência corporal e outros conceitos

Existem conceitos que vão surgindo no dia a dia e gosto de aproveitar a oportunidade para trabalhá-los de forma bem natural. Números, opostos, tamanho, cores, formas, parentesco, animais, flores, frutos, enfim, tudo o que faz parte do nosso dia a dia é sempre uma ocasião de aprender!

Além disso, tenho apresentado ao Bento elementos da nossa cultura e outras culturas também.

Referência

¹ ⁴ ⁵ ⁶ Catherine L’Ecuyer, Educar na curiosidade

² Helena Lubienska, Silêncio, gesto e palavra

³ Dr. Ítalo Marsili, Afetividade Infantil e Harmonia Familiar

Marcelo Morsella

 

 

Orações para quem deseja engravidar, para durante a gravidez e parto

Tempo de leitura: 10 minutos

São Francisco de Sales

Ó Deus eterno, Pai de infinita bondade, que instituístes o casamento para propagar o gênero humano e povoar o Céu, e destinastes principalmente o nosso sexo para essa tarefa, querendo que nossa fecundidade fosse uma das marcas de vossa benção sobre nós, eu me prosterno, suplicante, diante de Vossa Majestade, que eu adoro.

Eu Vos dou graças pela criança que eu levo, à qual Vós destes o ser. Senhor, estendei a Vossa mão e completai a obra que Vós começastes: que Vossa Providência leve comigo, por meio de uma contínua assistência, a frágil criatura que Vós me confiastes, até a hora de sua chegada ao mundo. Nesse momento, ó Deus de minha vida, assisti-me e sustentai minha fraqueza com Vossa mão poderosa. Recebei então Vós mesmo meu filho e guardai-o até que ele tenha entrado, pelo batismo, no seio da Igreja Vossa Esposa, a fim de que ele Vos pertença pelo duplo título da Criação e da Redenção.

Ó Salvador de minha alma, que durante Vossa vida mortal tanto amastes as crianças e tantas vezes as tomastes nos braços, tomai também a minha, a fim de que tendo a Vós por Pai, e Vos chamando seu Pai, ela santifique o Vosso nome e participe de Vosso Reino. Eu Vo-la consagro de todo o meu coração, ó meu Salvador, e a entrego a Vosso amor.

Vossa justiça submeteu Eva e todas as mulheres que nascem dela a grandes dores; eu aceito, Senhor, todos os sofrimentos que vós me destinais nessa ocasião e Vos suplico humildemente, pela santa e feliz concepção de Vossa Mãe Imaculada, que me sejais benigno no momento de dar à luz meu filho, abençoando a mim e a essa criança que Vós me dareis, bem como concedendo-me o Vosso amor e uma inteira confiança em Vossa bondade.

E Vós, bem-aventurada Virgem, Santíssima Mãe de nosso Salvador, honra e glória de nosso sexo, intercedei junto a Vosso Divino Filho a fim de que ele atenda, em sua misericórdia, a minha humilde oração.

Eu Vo-lo peço, ó mais amável das criaturas, pelo amor virginal que tivestes por José, vosso santo esposo, e pelos méritos infinitos do nascimento de vosso Divino Filho.

Ó Santos Anjos que sois encarregados de velar por mim e por meu filho, protegei-nos e conduzi-nos a fim de que, pela vossa assistência, possamos um dia chegar à glória da qual vós já gozais, e louvar convosco nosso Senhor comum, que vive e reina por todos os séculos dos séculos. Amem.

São Raimundo Nonato

Diz-se que São Raimundo nasceu em uma família nobre da Espanha por volta do ano 1200. Foi-lhe dado o apelido de “non natus” (não nascido), porque sua mãe morreu no parto, antes que ele viesse à luz. Por esse fato, é tradicionalmente considerado padroeiro das mulheres grávidas, parturientes (que vão dar à luz), parteiras e recém-nascidos.

Oração a São Raimundo Nonato por um parto feliz

Glorioso São Raimundo,  ninguém melhor que vós saberá compadecer-se das dores e perigos dum parto difícil,  pois, cedendo à violência dos sofrimentos,  vossa própria mãe perdeu a vida e só por milagre fostes dela extraído. Eia pois, meu santo, já que me encontro neste estado delicado, a vós confiadamente recorro para que eu possa completar com felicidade o número dos meus dias e produzam minha entranhas, livre e sã, a prole que com a bênção divina concebi,
a qual, regenerada pelo baptismo, venha com o tempo aumentar o número dos que fielmente servem ao Senhor. Não me desprezeis, glorioso santo, de vós ouvi dizer que a nenhuma deixastes sem amparo nestas circunstâncias. Compadecei-vos dos meus lamentos, pois embora me alcance a justa sentença que meu Senhor deu a Eva dar à luz os filhos com dores e trabalhos, espero, com a vossa poderosa intercessão, obter da benignidade de Deus, pela Santíssima Paixão e morte de Jesus, moderação e lenitivo em minhas dores, e no momento oportuno, um parto feliz, para aumento da grei cristã e maior glória de Nosso Senhor Jesus Cristo, a cuja vontade resigno totalmente a minha. Amém.
(Pai nosso, Ave Maria, Glória ).

Santa Coleta de Corbie

A devoção a Santa Coleta para obter a graça de ter um bom parto nasceu do fato de que a mãe dela a gerou em idade avançada, com riscos na gravidez e no parto. Além disso, Coleta teve especial veneração pela Encarnação e Nascimento de Jesus. Assim, As Clarissas divulgam esta devoção, porque recorrendo à intercessão de Santa Coleta muitas mulheres grávidas recebem a graça de ter um feliz parto e dar à luz uma criança saudável.

Oração a Santa Coleta

Ó Santa e gloriosa virgem coleta, pelo ardente amor e fervorosa devoção que abrasava o teu coração diante do mistério da Encarnação e Nascimento de Jesus, pelas graças maravilhosas com que o Senhor vos enriqueceu, em virtude da sua concepção e nascimento, pela amável e calorosa ternura que tiveste à sua Sagrada Família, porquanto como que transformada em Jesus Cristo por verdadeiro amor e participação nos seus sofrimentos de criança e na sua pobreza, alcança-me dele a graça de serem atendidos os meus pedidos, o que espero por tua valiosa intercessão. Amém. (pede-se a graça de um bom parto)

São Domingos Sávio

São Domingo Sávio é padroeiro dos meninos cantores e também das grávidas, por ter cumprido em sua vida uma missão da Virgem Maria, enquanto era guiado por São João Bosco.

Durante o processo de investigação para levar Domingos Sávio aos altares, sua irmã Teresa narrou que certa vez o Santo se apresentou diante de Dom Bosco e lhe pediu permissão para ir a sua casa. Seu formador lhe perguntou ou motivo e o jovem respondeu: “Minha mãe está muito delicada e a Virgem quer curá-la”. Dom Bosco perguntou de quem tinha recebido notícias e Domingos respondeu que de ninguém, mas que ele sabia. O sacerdote, que já conhecia seus dons, deu-lhe dinheiro para a viagem.

A mãe de Domingos estava grávida, mas sofrendo com fortes dores. Quando o jovem chegou para vê-la, abraçou-a fortemente, beijou-a e depois obedeceu sua mãe, que lhe tinha pedido que fosse com uns vizinhos. Quando o médico chegou, viu que a senhora estava com a saúde recuperada e, enquanto os vizinhos a atendiam, viram em seu pescoço uma fita verde que estava unida a uma seda dobrada e costurada como um escapulário. A surpreendente visita de Domingos a sua mãe se deu em 12 de setembro de 1856, data do nascimento de sua irmã Catarina.

Tempo depois, Domingos disse a sua mãe que conservasse e emprestasse aquele escapulário às mulheres que necessitassem. Assim se fez e muitas afirmavam ter obtido graças de Deus com a ajuda do escapulário da Virgem.
Há muitas histórias de mulheres que não podiam engravidar e alcançaram essa graça através de São Domingos Sávio.

Oração a São Domingos Sávio
Ó glorioso e santo Menino, tu, que por inspiração da Virgem Imaculada levaste à tua mãe imediato alívio às suas dores, por meio de uma misteriosa fita que lhe colocaste ao pescoço, atende ao ardente desejo desta tua devota, que humildemente recorre à tua intercessão. Alcança-me da Virgem Maria, Mãe de Jesus, a graça da maternidade. Assiste-me no perigo instante, para que, auxiliada pela tua intercessão, possa, cheia de alegria, render a Deus e à sua Mãe Santíssima infinitas graças. Desde já coloco sob tua valiosa proteção a criatura que Deus me dará. Alcança-me a graça de vê-la crescer no santo temor de Deus, para que, conhecendo-o e servindo-o durante a vida, possa, juntamente com os demais de sua família, gozá-lo para sempre no céu. Que Assim Seja.

São Geraldo Majela

É muito eficaz a novena a São Geraldo Majela, para obter a proteção divina durante a gestação, para mãe e bebê. Em 1754 São Geraldo foi falsamente acusado de ter engravidado uma mulher que se chamava Néria Caggiano. Geraldo, porém, fez apenas uma oração e Néria se arrependeu. Então, ela se retratou e inocentou Geraldo. Foi por isso que o povo começou a associar de São Geraldo Magela à proteção das mulheres grávidas.

Novena a São Geraldo Majela
Deus Todo-Poderoso e Eterno, que, pela operação do Espírito Santo, preparou o corpo e a alma da gloriosa Virgem Maria, Mãe de Deus, para ser uma morada digna de vosso Filho e que, pelo mesmo Espírito Santo, santificou São João Batista antes de seu nascimento, recebei a oração de vossa humilde serva que vos suplica, pela intercessão de São Geraldo, vosso fidelíssimo servo, a proteção nos perigos da maternidade e a defesa, contra o espírito maligno, do fruto que dignastes dar-lhe, a fim de que por vossa mão que socorre e salva, ele possa receber o santo batismo.
Fazei também que a mãe e a criança possam, depois de uma vida cristã, chegar ambos à vida eterna. Amém.
Pai Nosso, Ave-Maria, Glória.

Nossa Senhora do Bom Parto

Oração para Nossa Senhora do Parto, presente na Basílica de Santo Agostinho, em Roma.

Santa Mãe de Deus, Virgem do Divino Parto, colocamo-nos aos vossos pés para cantar os vossos louvores. Vós sois a filha predileta do Pai, a Mãe do Verbo Encarnado, o Templo do Espírito Santo. Vós sois a Virgem escolhida desde toda a eternidade para cooperar com a obra da nossa salvação: alcançai para nós, de Vosso Filho, Jesus, uma fé forte, uma esperança sólida e uma caridade generosa.

Virgem Mãe, nós vos confiamos todas as mães que vos suplicam pela integridade de seus filhos e por um parto feliz, a fim de que a vida que portam em seu seio seja preservada de todo perigo. Concedei-lhes a graça de voltar aos vossos pés com a criança, para agradecer ao Senhor, que faz maravilhas aos que se entregam a Ele com confiança.

Ó, Virgem do Parto, guardai e defendei, todas as crianças com o vosso amor, para que, regeneradas do pecado pela água do batismo e inseridas na Santa Madre Igreja, cresçam serenamente, cheias de virtude, a fim de se tornarem testemunhas corajosas de vosso Filho, Jesus, e de perseverarem no caminho da santidade pela graça do Espírito Santo. Amém.

Ave Maria…
Virgem do Divino Parto, rogai por nós.

Nossa Senhora do Leite

Conheça mais sobre a história.

Oração

Senhora do Leite e Bom Parto, mãe amorosa do Menino Jesus e minha Mãe, escuta a minha humilde oração. Sei que vosso coração de  mãe conhece todos os meus desejos, todas as minhas necessidades. Só vós, Virgem Imaculada, e vosso Divino Filho são capazes de entender os sentimentos que enchem a minha alma. Vós que tivestes o sagrado privilégio de ser a Mãe do Salvador, intercedei junto a Ele agora, minha querida Mãe, que, segundo a sua vontade, eu  possa ser uma mãe biológica ou mãe de outros filhos enviados por Nosso Senhor. Isso eu peço, a vós, Senhora do Leite, em nome de vosso Divino Filho, meu Senhor e Redentor. Amém.

Nossa Senhora Grávida

A novena a Nossa Senhora Grávida deve ser rezada diariamente durante 9 meses: de 25 de março até 25 de dezembro, ou seja, da Anunciação até o Natal do Senhor. Muitas mulheres que tinham dificuldade de engravidar conseguiram seu milagre através dessa novena.

Reze a novena aqui.

Santa Gianna

Esposa amorosa, médica dedicada e mãe heróica, que renunciou à própria vida em favor da vida da filha, na ocasião da gestação e do parto. Cristã valente que o Beato Paulo VI descreveu como “uma mãe que, para dar à luz seu bebê, sacrificou a sua própria vida em uma imolação deliberada”.  Santa Gianna é uma poderosa intercessora em favor da vida familiar, das mulheres que não conseguem engravidar e daquelas mães com problemas durante a gestação.

Para conhecer mais sobre a história, recomendo esse link e esse livro.

Novena a Santa Gianna

– Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
Deus Pai, que nos deste a Santa Gianna como exemplo de esposa amorosa, que cercou de amor a sua família construindo uma verdadeira “Igreja Doméstica”, faz-me assimilar esse mesmo amor incondicional, consagrando minha vida ao Teu serviço junto aos que me cercam.

PAI NOSSO… AVE MARIA… GLÓRIA AO PAI…

Jesus, Redentor da humanidade, que chamaste à Santa Gianna à missão de médica do corpo e da alma, vendo o Teu sofrimento no irmão doente, fazei que, seguindo o exemplo da Tua serva, possa eu entender a minha dor e a do meu irmão, participando do sacrifício da Tua Santa Cruz.

PAI NOSSO… AVE MARIA… GLÓRIA AO PAI…

Espírito Santo, fonte de todo o Amor, que infundiu no coração de Mãe da Santa Gianna a coragem dos mártires, de testemunhar com a própria vida o amor à criança que trazia no seu ventre, colaborando de maneira extraordinária no Teu plano de criação, e, que durante toda a sua vida foi um exemplo de cristã de fé, esperança e caridade, faz-me torná-la com o exemplo para um autêntico caminho rumo à santidade.

PAI NOSSO… AVE MARIA… GLÓRIA AO PAI…

ORAÇÃO:
Ó Deus, Amante da Vida, que doaste à Santa Gianna responder com plena generosidade à vocação cristã de esposa e mãe, concede também a mim (pessoa para quem quer obter a Graça), por sua intercessão (… FAZER O PEDIDO…) e também seguir fielmente os Teus Desígnios, para que resplandeça sempre nas nossas famílias a Graça que consagra o amor eterno e à vida humana. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Teu Filho, que é Deus, e vive e reina Contigo na unidade do Espírito Santo, por todos os séculos dos séculos. AMÉM.

Serva de Deus Chiara Petrillo

Logo em sua primeira gravidez, ela teve uma surpresa ao fazer a ultrassonografia e descobrir que sua filha, Maria, foi diagnosticada com anencefalia. O casal decidiu seguir a gravidez até o fim, o que já foi uma surpresa para muitos. Trinta minutos depois de nascer, Maria veio a falecer.

O segundo filho do casal, Davide, ainda no início da gestação, foi diagnosticado com uma deficiência: ele não possuía as pernas e tinha má-formação visceral. Como na vez anterior, contra a expectativa de muitos, os pais decidiram prosseguir. Ambos os filhos, Maria e Davide, chegaram a nascer e, mesmo vivendo poucos minutos, foram acompanhados pelos pais até o último minuto.

Chiara engravidou novamente, desta vez era Francesco. Os exames mostravam que o menino era saudável, para a alegria do casal. Porém, no quinto mês de gravidez, Chiara descobriu uma lesão na língua e logo na primeira cirurgia os médicos diagnosticaram que se tratava de um câncer. Ela tinha duas opções: seguir com a gravidez ou interrompê-la por causa do tratamento do câncer. A escolha de Chiara foi pela vida de seu filho, ato este que colocou em risco sua própria vida. Foi somente após o parto que Chiara pôde dar início ao tratamento com quimioterapia e radioterapia, que ela enfrentou com muita serenidade e irresoluta confiança na Providência. Um tempo após o nascimento de Francesco, Chiara faleceu, em junho de 2012, aos 28 anos.

Apesar de não haver oração e novena aprovada, pois Chiara ainda não foi elevada a honra dos altares, muitas mulheres tem rezado pedindo sua intercessão para engravidar e com relação a problemas na gravidez, já que ela morreu em odor de santidade.

Recomendo esse artigo do blog Modéstia e Pudor e o livro sobre sua vida.

Referências

http://www.montfort.org.br/bra/oracoes/diversas/gestantes/

Quando uma mulher sabe amar

[Oração] Novena a São Geraldo Majela e Oração para Nossa Senhora do Parto para as grávidas.

http://www.acidigital.com/noticias/hoje-a-igreja-celebra-sao-domingos-savio-padroeiro-das-gravidas-93421/

http://www.paroquias.org/oracoes/?o=193

http://coletadecorbie.blogspot.com.br/2010/09/devocao-santa-coleta-para-um-bom-parto.html

Um ano novo é muito pouco: precisamos de uma alma nova

Tempo de leitura: 6 minutos

Extirpar um defeito/vício por ano

Toda virada de ano é repleta das mesmas coisas: sonhos, projetos, mudanças, enfim, uma busca por uma vida nova. Infelizmente, a maioria das pessoas se preocupa apenas com as coisas exteriores, com os bens que passam: trabalho, dinheiro, sucesso, descanso, viagens, festas, e tanto mais. Poucos são os que aproveitam essa atmosfera de mudança para repensar a vida interior e propor mudanças. Além disso, para a maior parte das pessoas, toda virada de ano é uma grande frustração: os dias passam e a vida continua igual, justamente porque quem precisa mudar somos nós, independente do ano.  É uma triste ilusão e algo bem comum (e imaturo), condicionar as nossas necessidades, projetos, sonhos à fatores exteriores. Assim, se falharmos, a culpa não será nossa.

Mas, afinal de contas, os propósitos de ano novo são ruins? Absolutamente não. Se soubermos aproveitar essa atmosfera de mudança, quanto poderemos fazer! Devemos tomar cuidado com o que nos alerta São Josemaria: “Tu não deves trabalhar por entusiasmo, mas por Amor.” Qualquer propósito de ano novo será sempre em vão e levará à frustração se não tivermos uma vontade firme.

”Se a cada ano extirpássemos um vício, bem depressa seríamos perfeitos.” (Imitação de Cristo)

Essa citação do livro Imitação de Cristo é tão chocante quanto verdadeira. E, mais do que isso, totalmente possível e alcançável! Grande parte das vezes não progredimos espiritualmente porque estamos perdidos em meio a tantos e tantos propósitos. Principalmente na vida familiar, com tempo tão curto, é difícil progredir em muitas coisas ao mesmo tempo. Mas não é impossível! O importante é não estacionar, pois na vida espiritual quem não progride, retrocede.

Então, que tal adotarmos essa proposta de extirpar um defeito ou vício por ano? É uma proposta real, eficaz e que está ao alcance de todos!

O defeito dominante

Após um bom exame de consciência, somos capazes de identificar qual defeito ou vício mais tem atrapalhado a nossa vida e incomodado as outras pessoas. É esse o vício que deve ser corrigido. ”Para combater com eficácia na vida interior devemos conhecer bem o que os autores espirituais chamaram o defeito dominante, o que em cada um tende a prevalecer sobre os outros e, como consequência, se torna presente na forma de opinar, de julgar, de querer e de agir. ” (Pe. Garrigou)

”O demônio é como um leão que ruge ao nosso redor, procurando nos devorar. Com muita inteligência, ele busca, precisamente, nos atacar em nosso ponto fraco. Assim, ele faz a ronda para examinar todas as nossas virtudes teologais, cardeais e morais, e é no ponto em que nos encontra mais fraco, é nesse ponto, que é o mais perigoso para a nossa salvação, que ele nos ataca e tenta nos abater. Como um bom chefe de guerra, ele sabe que uma vez tomado o ponto mais fraco de nossa alma, o menos virtuoso, ele vai se tornar o mestre de todo o resto de nossa alma. Esse ponto mais desprovido de virtude, o mais arruinado pelas nossas más inclinações é justamente o nosso defeito dominante, que é também a raiz, a causa de muitos outros pecados. Esse defeito dominante pode ser muito diverso segundo cada pessoa: o orgulho, a vaidade, a sensualidade, a impureza, a falta de modéstia, o respeito humano, o apego aos bens desse mundo, o apego às honras ou à glória desse mundo. Ele pode ser a preguiça, sobretudo a preguiça espiritual, a falta de espírito sobrenatural, a falta de esperança, a inconstância, o espírito mundano, a cólera, etc…

Para que sejamos vitoriosos nesse combate, é preciso, todavia, seguir o conselho da Igreja. A vitória sobre o nosso defeito dominante não ocorre sem os sofrimentos, sem as cruzes, sem as privações. É impossível vencê-lo sem a mortificação, sem a penitência. Do mesmo modo, sem a oração – sem muita oração – é igualmente impossível vencê-lo e até mesmo começar a batalha, pois é Deus que nos dá a força para combater e é Deus que nos dá, em última instância, a vitória. Sem Ele, mais uma vez, nada podemos fazer. Finalmente, é a caridade, a vontade de servir a Deus, infinitamente bom e amável, que deve nos animar e nos dispor ao combate.  Para não se enganar a respeito de seu próprio defeito dominante, é necessário pedir o auxílio de Deus, para que Ele mostre qual é esse defeito e convém pedir conselho a um padre bom que conheça sua alma.” (Pe. Daniel Pinheiro)

E, não só corrigir o vício/defeito, deve ser feito também a atitude contrária, que é o remédio para a correção. Por exemplo, uma pessoa acostumada a reclamar pode escolher corrigir esse defeito e se esforçar em dar graças a Deus por tudo o que acontecer.

Sugestões de propósitos para o ano de 2018

A seguir, uma lista com sugestões de propósitos de correção:

  • Não reclamar, sendo assim, dando graças a Deus por tudo o que acontecer;
  • Não fofocar, sendo assim, procurando guardar o que penso a respeito do próximo só para mim;
  • Não fazer julgamento temerário, sendo assim, procurando pensar sempre o bem do próximo;
  • Não perder tempo na internet, sendo assim, reservando apenas um horário por dia pra checar o que preciso;
  • Não mentir nem para me desculpar, sendo assim, falando sempre a verdade;
  • Não falar mal do esposo/esposa bem como não expor a vida familiar para os outros, sendo assim, guardando a intimidade de nosso lar;
  • Não passar tanto tempo trabalhando ou em outras coisas, sendo assim, procurando passar mais tempo em família;
  • Não sendo impaciente, sendo assim, procurando sofrer as contrariedades com serenidade e alegria;
  • Não gastar demasiadamente, sendo assim, comprando somente o necessário;
  • Deixar de assistir televisão, sendo assim, usando esse tempo para algo útil como leitura, oração ou tempo em família;
  • Vencer meu mau humor, sendo assim, procurando sorrir e não descontar nas pessoas;
  • Não me irritar com os defeitos alheios, sendo assim, sofrendo os defeitos dos outros e rezando para que a graça de Deus venha e os ajude a mudar;
  • Não sendo orgulhoso, sendo assim, pedindo perdão quando errar;
  • Não ler, assistir ou falar coisas imorais, sendo assim, vivendo a pureza;
  • Não usar moda imodesta e sensual, sendo assim, vestir-me decentemente;
  • Não discutindo por coisas pequenas, sendo assim, relevando bobagens e focando nas coisas boas;
  • Não perder tempo, sendo assim, cumprindo minhas obrigações de cada dia;
  • Não impor minha opinião, sendo assim, aprendendo a ceder;
  • Não tendo inveja, sendo assim, reconhecendo o bem nos outros;
  • Não pecando contra a castidade matrimonial, sendo assim, vivendo o plano de Deus para a sexualidade do casal;
  • Não provocando confusões, sendo assim, guardando a minha língua;
  • Não procurar agradecimento em tudo, sendo assim, fazer as coisas sem esperar retribuição;
  • Não ser preguiçoso, sendo assim, ser generoso e me colocando a disposição das pessoas;
  • Não ser curioso, sendo assim, cuidando dos assuntos de minha própria vida de família;
  • Não me importando com a opinião das pessoas, sendo assim, pensando em agradar somente a Deus.

Sugestões de propósitos espirituais

Além de corrigir um defeito/vício, também podemos inserir um bom propósito relacionado a vida de oração, como:

  • Rezar o terço em família todos os dias;
  • Rezar o Ofício da Imaculada Conceição aos sábados;
  • Assistir mais de uma Missa por semana com a família;
  • Ler o Evangelho do dia com a família;
  • Falar para as pessoas sobre a salvação eterna;
  • Meditar sobre a morte, o céu e o inferno;
  • Não desanimar nas dificuldades;
  • Rezar quando me sentir triste;
  • Estar sempre fazendo algo para o bem da minha alma e dos que amo;
  • Rezar quando tiver uma tentação;
  • Oferecer sacrifícios pelas almas do purgatório;
  • Rezando a Nossa Senhora nas tentações;
  • Oferecer sacrifícios pela pureza e inocência das crianças e jovens;
  • Consagrar-me a Nossa Senhora;
  • Ensinar algo da fé para alguém;
  • Assistir Missa todos os domingos
  • Rezar o Angelus antes das refeições;
  • Rezar a oração das refeições;
  • Ensinar os filhos a rezar;
  • Abençoar os filhos antes de dormir;
  • Fazer leitura espiritual (tratados de espiritualidade, vida dos santos,…);
  • Fazer leitura formativa (estudar sobre algum tema referente a nossa fé);
  • Fazer alguns minutos de meditação por dia (do Santo Evangelho ou usando algum livro);
  • Confessar-se uma vez por mês;
  • Participar da vida paroquial;
  • Rezar pelas vocações;
  • Visitar asilos, orfanatos, hospitais;
  • Ajudar financeiramente algum instituto religioso;
  • Rezar diariamente pelos filhos e esposo (a);
  • Buscar uma vida interior na presença de Deus

 

A vida passa extraordinariamente depressa e precisamos urgentemente daquela ”determinada determinação” de que Santa Teresa tanto nos fala. Se tivermos sempre em mente que ”O Reino dos céus é arrebatado à força e são os violentos que o conquistam”, não teremos dificuldade de combater o bom combate e esforçar-nos, até o sangue, para alcançar a santidade. E, principalmente, se ainda não é pelo amor que buscamos agradar ao bom Deus, ao menos que meditemos todos os dias o momento do nosso julgamento, onde estaremos diante do Justo Juiz. Certamente o temor nos dará bons empurrões!

 

Singelas tradições para viver o advento e Natal em casa

Tempo de leitura: 4 minutos

Como as famílias católicas podem viver bem o advento e o Natal em casa? Trago singelas tradições natalinas que algumas famílias fazem em seus lares. Que possa inspirar mais famílias!

Palhas para a manjedoura

“Ano passado fizemos um presépio bem simples com um cestinho pra colocar o Menino Jesus. Do lado, deixei uns papéis picados para imitar palha.

Todos os dias colocamos uma palha para cada coisa bonita que fizemos por Jesus, para Jesus “nascer no fofinho”. Aprendi com uma amiga que fazia isso em casa quando criança. ” (Ana Pur)

Cada criança pode ter uma manjedoura individual ou ter uma manjedoura para toda a família. A ideia é que quando atos de serviço, sacrifício ou bondade forem feitos em honra ao menino Jesus, a criança receba uma palha para colocar dentro da manjedoura.  Devemos encorajar as crianças a fazer para Jesus uma manjedoura mais confortável possível.

Enxoval para o Menino Jesus

Os pais junto com os filhos vão preparar um lugar na casa para pôr a manjedoura e durante os dias do advento vão preparando o enxoval, seguindo as atividades.

(Brenda Nascimento)

Sorteio do Anjo do Natal

“Coloco o nome das pessoas de nossa casa em papéis e fazemos o sorteio entre nós. Cada um fica responsável por fazer bondades para quem sorteou. Será o Anjo pra ela. No final do Advento revelamos os Anjos e entregamos uma pequena lembrança. “(Magda Verônica)

Coroa do Advento e propósito

“Todos os anos fazemos a Coroa do Advento, com o acendimento semanal das velas. No primeiro dia do advento, todos nós fazemos nossos propósitos de advento: uma privação, jejum, enfim, uma oferta de cada um ao Menino Jesus.”(Juliana Veloso)

As quatro velas colocadas na Coroa de Advento são acendidas semana a semana, nos quatro domingos do advento e com uma oração especial.

Para aprender mais sobre a Coroa, seguem os links:

http://www.acidigital.com/noticias/cinco-detalhes-sobre-a-coroa-do-advento-que-talvez-desconheca-51096/

http://www.salvemaliturgia.com/2010/12/coroa-do-advento.html?m=1

https://padrepauloricardo.org/episodios/qual-a-origem-da-coroa-do-advento

Mudar a data dos presentes

Muitas famílias seguem a tradição de entregar os presentes no dia dos Reis Magos, 6 de janeiro, ao invés do 25 de dezembro. Há famílias que também entregam lembrancinhas em sapatos ou meias no dia de São Nicolau, 6 de dezembro.

Para o dia do Natal, que tal celebrar o Menino Jesus? Fazendo um bolo com as crianças, por exemplo! O consumismo dessa época roubou e desviou há muito a nossa atenção do verdadeiro sentido do Natal.

O Natal não é uma data comercial, mas o nascimento de Nosso Senhor.  “Um menino nos foi dado”. O que vemos é a realização das escrituras “veio para os seus e os seus nao o acolheram”.

Resgatemos o sentido  do Natal sendo famílias verdadeiramente católicas e dando as nossas crianças uma sólida formação de fé: o Natal é do menino Jesus e não do papai noel.

A árvore de Jessé

A árvore de Jessé traz a genealogia de Jesus. É uma belíssima forma de ensinar a história sagrada aos nossos filhos e levá-los a refletir sobre a genealogia de Jesus durante esse tempo.
Cada enfeite da árvore faz menção a uma história  da Bíblia, desde a criação até o nascimento de Nosso Senhor .  A cada dia, uma história deve contada e seu enfeite correspondente deve ser pendurado na árvore.
Você pode fazer a sua própria árvore como ensina o link a seguir do blog Um novo lar:
https://www.google.fr/amp/s/umnovolar.wordpress.com/2016/11/18/como-fazer-uma-arvore-de-jesse/amp/

Ou pode comprar uma belíssima Árvore de Jessé de feltro através do Feltro do Céu: http://feltrodoceu.wixsite.com/feltrodoceu/jesse  ou pela página no Facebook.

Montar o presépio

Há muito o presépio foi retirado dos lares cristãos para dar lugar a árvore de Natal e demais enfeites. Devemos fazer da montagem do presépio uma tradição e centro de nosso advento, pois ele nos recorda o verdadeiro Natal.

Montar o presépio e explicá-lo as crianças é uma verdadeira catequese.

Na noite do dia 24 para 25 ou na manhã do dia 25, fazer a entronização do menino Jesus e repousá-Lo na manjedoura para que todos possam adorá-Lo é uma antiga e tão bela tradição que as famílias tem.

Celebrar o dia de São Nicolau

A figura do Papai Noel é inspirada na história de São Nicolau. Indico o texto onde a Luciana do blog As três chamas do lar, explica toda a história a respeito de São Nicolau e do papai Noel e a sua peça sobre esse santo:
Sobre São Nicolau (e o Natal)
https://www.google.fr/amp/s/lucianalachance.wordpress.com/2016/11/26/minha-peca-sobre-sao-nicolau/amp/

Celebrar outras datas

Santa Luzia, fazendo a relação com a Luz do mundo.
Imaculada Conceição, conhecendo e ensinando o dogma às crianças.
Nossa Senhora de Guadalupe, que apareceu grávida.

Fazer a Novena de Natal

Com a família, seja em casa ou na paróquia, é uma grande ocasião de preparar-nos para a vinda do menino Deus.

Participar das atividades paroquiais

Missas, atividades culturais e confissão.
Além disso, sugerimos três posts do casal querido e experiente, Rafael e Aline Brodbeck sobre esse tempo:

http://www.domesticaecclesia.com/2016/11/o-advento-vem-ai.html

http://www.domesticaecclesia.com/2016/11/como-viver-o-advento-em-familia_28.html

http://www.domesticaecclesia.com/2013/12/o-advento-vivido-em-familia.html

 

Atividades em família para o Advento

Tempo de leitura: 2 minutos

O calendário do advento é uma atividade muito legal de se fazer com a família. Escolhe-se uma atividade por dia para ser feita durante esse tempo tão belo e propício. Postamos várias sugestões de atividades para que vocês possam escolher entre elas!

Com uma busca rápida pelo Google ou Pinterest, facilmente encontramos várias inspirações para montar um calendário (figuras, listas). O legal de fazer o calendário desse jeito é que fica bem lúdico e divertido para as crianças. 

ATIVIDADES

1. Ouvir músicas natalinas;

2. Fazer um pote da gratidão;

3. Dar um presépio de madeira ou feltro para as crianças brincarem;

4. Escrever cartões de natal para a família e amigos;

5. Fazer enfeites para a árvore de Natal;

6. Separar brinquedos para doar;

7. Ler livro de natal;

8. Separar roupas para doar;

9. Celebrar dia de São Nicolau (6 de dezembro) contando a história;

10. Celebrar dia de São Nicolau pegando presentes na meia;

11. Colorir desenhos do presépio;

12. Passear e ver alguma decoração de natal na cidade;

13. Ouvir coral de natal em casa ou apresentação natalina na cidade;

14. Aprender e ensaiar uma música de Natal em família;

15. Fazer biscoitos natalinos;

16. Enviar uma mensagem de Natal para os vizinhos na caixa de correios;

17. Fazer a Novena de Natal;

18. Fazer a Coroa do Advento em casa;

19. Fazer decoração de Natal (guirlanda, arranjo de mesa, enfeites para a árvore);

20. Fazer pão de natal;

21. Observar as estrelas e falar sobre a estrela de Belém;

22. Ler livro sobre o nascimento de Jesus;

23. Montar uma árvore de papel ou feltro com enfeites móveis para as crianças;

24. Aprender sobre o presépio;

25. Ver decoração de Natal em shopping;

26. Fazer chocolate quente;

27. Fazer bombons ou biscoitos para dar de presente;

28. Tirar foto em família  (fazemos isso todo Natal);

29. Visitar padrinhos ou avós;

30. Visitar um asilo e levar biscoitos natalinos;

31. Comprar um presente novo para uma criança carente;

32. Construir uma manjedoura para o Menino Jesus;

33. Fazer bolo de aniversário para o Menino Jesus;

34. Receber alguém especial para um almoço ou café da tarde;

35. Fazer lembrancinhas de natal;

36. Reunir os amigos das crianças para um encontro de Natal;

37. Acampar na sala;

38. Entronização do menino Jesus;

39. Criar versinhos/rimas de Natal;

40. Fazer alguma receita especial em família;

41. Visitar o presépio da cidade;

42. Jogo em família;

43. Preparar um teatro de Natal em casa;

44. Decorar a casa com enfeites de natal;

45. Fazer cupcakes e decorá-los;

46. Jantar à luz de velas;

47. Comer marshmallows;

48. Montar árvore de Natal;

49. Aprender sobre os Reis Magos;

50. Aprender sobre os profetas que anunciaram a vinda de Jesus.

 

Entre tantas outras atividades!

No próximo post trarei algumas pequenas tradições católicas familiares que costumam ser feitas com as crianças!

O sono do Bento

Tempo de leitura: 6 minutos

Escrevo esse post não com o intuito de oferecer uma fórmula mágica que miraculosamente fará com que os bebês durmam espetacularmente bem. Mas, sim, para oferecer a nossa experiência bem sucedida com o Bento.

Também não tenho a intenção de dizer que essa é a forma correta. Há muitos caminhos que podem ser percorridos e esse foi o que escolhemos para a nossa família. Ele é resultado da leitura de várias referências sobre o assunto,  de conversas com outras pessoas, com nossas mães, o crivo crítico do que consideramos melhor e mais natural na forma de conduzir o Bento ao objetivo e  também um “diálogo” sensível com o Bento observando os sinais que ele dava, sem levá-lo a um estresse desmedido.

Para nós, não foi uma escolha buscando conforto pessoal, mas sim uma melhor qualidade de sono para nosso filho. Um bebê (após certa idade) que acorda repetidas vezes durante a noite não descansa e fica irritadiço e carente durante o dia, além de apresentar, atrelado a isso, dificuldades na alimentação. Somado a isso, ter uma boa noite de sono deixa os pais, principalmente as mães, muito mais capazes de lidarem bem e educarem seus filhos. Uma mãe exausta ou que não dorme é uma mãe impaciente, irritadiça, com alto nível de frustração e tristeza, com dificuldade de ter rotina e realizar atividades, com dificuldade de atenção, de resolver problemas, sempre cansada, possivelmente com problemas no matrimônio também.
Quando os filhos dormem bem, todo mundo ganha, principalmente as crianças. Devemos estar conscientes e acreditando nisso ou não seremos capazes de dar o próximo passo.

O recém nascido

Antes de mais nada é preciso saber um pouco sobre como é o sono do RN e porque os métodos não funcionam e nem devem ser aplicados até os 4 meses.
Os recém nascidos não sabem nada sobre sono, precisam ser ensinados. Eles não sabem que a noite é pra dormir. Pra eles a noite é pra mamar, pois é na madrugada que há o pico mais alto de prolactina  (hormônio da amamentação). Por isso, principalmente nos primeiros dias de vida, os bebês praticamente dormem o dia todo e mamam a noite toda. Isso é essencial para o sucesso da amamentação.
Quando vem a apojadura (descida do leite), as coisas começam a melhorar um pouco, pois o leite gordo começa a vir e as mamadas vão se espaçando. Mas, as coisas não melhoram muito, pois o estômago deles é muito pequeno e, como o leite materno é digerido rápido, precisam mamar mais vezes.
Conforme vão crescendo, o estômago vai aumentando e as mamadas se espaçam cada vez mais. Com 15 dias já estão de 3 em 3h na maioria dos casos.
Eles tem ciclos de sono e muitas vezes não saber voltar a adormecer. É uma habilidade que nós adultos já temos e que precisamos ajudar nossos bebês a terem também.
Além disso, até os 3 meses muitos bebês sofrem com cólicas.
Para que o bebê vá entendendo melhor sobre dormir, há algumas coisas que podemos fazer:
1- Adormecer em local escuro. Durante a noite sem luz nenhuma e durante o dia com luminosidade natural, mas sem cortinas abertas. O hormônio do sono (melatonina) só funciona no escuro. Muitos bebês deixam de dormir a noite porque os pais põe aquelas luminárias acesas a noite toda. O útero era escuro e eles amavam!
2- Silêncio. Os bebês dormem muito melhor sem músicas e chiados, ao contrário do que se pensa (eu também pensava!). E também o silêncio os vai educando à hora de dormir, pois durante o dia já há barulho natural, porque fazemos atividades, mas durante a noite todos dormem no silêncio.
3- Ter seu bercinho. Dormir com o neném da gente é muito bom, né? Mas também não é. Há prós e contras. Para nós, muito mais contras. Vale a pena pesquisar. Aqui levamos o Bento para dormir em seu quarto e berço com 15 dias. Antes dormia no carrinho.
4- Banho noturno. Além de relaxar, eles logo associam esse banho à hora de dormir.
5- Não pegar o bebê aos primeiros resmungos, apenas quando chorar. Aqui na França é comum que mesmo chorando os pais esperem 5 minutos para pegar os bebês. Essa simples atitude faz com que na maioria das vezes os bebês adormeçam de novo.
6- Deitar o bebê no berço e deixá-lo olhando pro nada até que adormeça. Nunca fiz, mas várias mães me disseram que fizeram assim e funcionava.
Em qualquer fase do bebê, o mais importante de tudo é ter rotina: horário e sequência de atividades. Mas isso é algo gradual.

A partir dos 4 meses

Segundo o nosso pediatra e o dr. Italo, a partir dos 4 meses o bebê já tem capacidade de aprender a adormecer sozinho e dormir uma noite inteira sem acordar.
Descobrimos isso primeiramente em uma consulta de rotina com o Dr. Marcos Santolim (muitos anos de consultório, pai, muito conhecimento científico e prático). Estávamos falando sobre como o Bento dormia bem e havia voltado a acordar com uns 6 meses. Então ele nos explicou que os bebês fazem isso e é apenas por hábito e carência, não por outros motivos. Por isso é um mau hábito e deve ser retirado, pois conforme cresce só vai piorando o padrão de sono. Além disso,  é comprovado cientificamente que, a partir dos 4 meses, o bebê que é amamentado durante a noite tem mais chance de desenvolver diabetes, pois aumenta muito o índice glicêmico e também a chance de obesidade no futuro. Não estou dizendo que o leite materno causa diabetes, mas sim que o fato de o alimentar durante a noite pode levar a isso.
Desde os 4 meses o bebê já tem o estômago do tamanho suficiente para adormecer a noite toda, mas, muito além disso a necessidade alimentar do bebê é e tem de ser suprida durante o dia. Assim são os mamiferos: se alimentam durante o dia e adormecem a noite.
Por isso, muitas vezes se o bebê acorda muito à noite é porque está mamando ou comendo pouco durante o dia.
Depois, no curso Afetividade Infantil e harmonia familiar, do dr. Italo, ele diz mais ou menos essas mesmas informações e faz o acréscimo da psicologia, reafirmando que a partir dos 4 meses o bebê pode adormecer sozinho sem mamar durante a noite e sem prejuízos psicológicos.

Desmame noturno gentil

Decidimos, após aquela conversa com o pediatra, que era hora de fazer o desmame noturno. Ele estava entre 6 a 7 meses e acabamos empurrando um pouco mais, até ele começar a jantar melhor. Assim que isso aconteceu, começamos. Nessa época ele havia voltado a acordar umas 2 a 3 vezes por noite.
O que fizemos:
1. Rotina do sono normal, horário de dormir igual todos os dias
2. Adormecia mamando e ia para o berço
3. Na primeira acordada o Gabriel ia, pegava o Bento no colo e sentava numa cadeira. Não o ninava nem nada. Quando adormecia, ia para o berço. É melhor que seja o pai, porque com a mãe o bebê geralmente resiste mais.
Na primeira noite, chorou 1h30 e acordou uma vez só.
Na segunda noite, 30 min.
Na terceira 15 min.
Na quarta dormia das 20h as 5h.
Não é um choro de dor, dá pra ver que o choro é de frustração, não é um choro sofrido.
4. Inserimos a técnica do despertar prolongado. Para que a criança durma até mais tarde, quando acordar pela manhã você a amamenta e ela volta a dormir. Assim ele dormia até umas 8:30 nessa época.
5. Quando está doente, eventualmente acaba mamando e depois precisa reaprender a não mamar à noite (justamente porque é um hábito), mas é bem rápido e praticamente não chora.
6. Às vezes acorda com pesadelos ou tem despertares, mas é raro.
7. Se o bebê acorda muitas vezes, pode começar a ir diminuindo o espaço entre as mamadas ou retirando uma mamada por vez. Fica a critério dos pais.

Ensinar a adormecer sozinho 

Quando Bento estava dormindo bem a noite, gostando da rotina, bem adaptado e seguro, decidimos avançar.
O método foi o mesmo do desmame noturno.
Depois Gabriel já o colocava dentro do berço e ficava dando tapinhas no bumbum.
Com o passar do tempo ele foi começando a adormecer cada vez mais rápido.
Hoje já não quer colo, quer deitar na caminha. Em menos de 5 minutos dorme.
Ainda permanecemos ao lado dele até adormecer, mas sem fazer nada, nem sequer olhando para ele. Mas também sem celular nem nada, mostrando que estamos ali, com ele.
Primeiro fizemos com o sono noturno e mais recente com a soneca diurna.
Bento não usou chupeta e não chupa dedo. Tentei inserir a naninha (objeto de transição) desde que nasceu, mas até hoje não pegou.
Quanto mais adereços ou manias vamos dando aos filhos para aparentemente facilitar as coisas, tudo vai ficando mais difícil e se tornando uma bola de neve.
Com os próximos filhos pretendemos fazer mais cedo. Não vimos prejuízo algum no Bento, muito pelo contrário, após isso, começou a se alimentar melhor do que antes e a ter sonecas diurnas de melhor qualidade (antes eram picotadas). Ele é uma criança segura, alegre, independente na possibilidade de sua idade, não é irritadiço, e por aí vai. Alguns dizem que tivemos sorte, mas eu acho que a verdade é que fizemos boas escolhas.

O Senhor nos leva ao horto

Tempo de leitura: 3 minutos

 

Há duas coisas que nos são tão distantes e vistas, de certa forma, como ruins hoje em dia: o silêncio e a solidão. Mais do que ao silêncio, se há algo que em geral somos avessos é à solidão, que toma logo significado e proporções relacionadas à doenças.

Nessa mudança para a França, deparei-me com a solidão de uma forma nunca antes vivida. Mais do que uma solidão física, uma solidão da alma.

Depois de um período de aridez extrema, percebi que o Senhor me trouxe não ao deserto, onde Ele foi tentado ou aonde o povo caminhou rumo à terra prometida, mas sim, ao horto das oliveiras, onde enquanto todos dormiam, Ele sentia-se só.

Uma solidão doída que, com o estresse, angústias, medos, fez com que o Senhor suasse sangue.

Assim também o Senhor me trouxe ao horto, com nenhum outro fim senão o de levar-me a entender que para amá-Lo, devo deixar todas as coisas e nada é mais difícil do que deixar a minha vontade própria. E entregar ao Senhor a nossa vontade é conformar-se totalmente com a vontade Dele e nisso consiste a perfeição.

“É necessária a solidão para aumentar nosso amor e intimidade com Deus.”

Entendi que na maior parte das vezes andei como uma criança mimada esperando consolo, atenção e que as coisas corressem ao modo da minha vontade. Mas o Senhor me quis ensinar que se quero ser santa, se quero ser como Ele, em meio a noite mais escura devo dizer: Pai, faça-se em mim a Vossa vontade.

Enquanto não aceitei esse sofrimento, me debatia como um pássaro preso na gaiola. Deixar as coisas materiais é um sacrifício fácil. Mortificar a nossa vontade é como um rasgar-se com a espada. Quando entendi e aceitei que o Senhor queria me tirar todas as coisas e mostrar-me o Seu Senhorio, a minha alma tornou-se serena e dócil. Estou vivendo um tempo em que nada está sob o meu controle. E dou graças a Deus por isso.

Queremos sempre companhia, buscamos sempre consolo e ajuda, mas na vida espiritual estamos sozinhos (de certa forma) com Deus, pois se por um lado a graça divina vem em nosso socorro, do outro está apenas a nossa vontade firme de fazer o bem e ir subindo nos degraus do Amor.

O Senhor nos leva ao Horto. Na solidão, encontramos a paz: seja feita a Vossa vontade. Na solidão, encontramos a Fonte Escondida. Na solidão, encontramos a nós mesmos: um poço de miséria sem fim.

Certo dia um anjo conduziu uma alma piedosa ao Horto das oliveiras, onde Jesus agonizava, e disse: “Para consolar Jesus, necessita-se das almas vítimas. Onde estão elas, aquelas que consentem sofrer com ele até a agonia e o suor de sangue?” O Anjo então a fez se aproximar de Nosso Senhor. “Eu me aproximei, me prostrei e compreendi quanto vale o amor reparador e compassivo: tinha encontrado o local do meu repouso”.

“Eis as palavras que Nosso Senhor me deu para meditar. “Meu Pai, seja feita vossa vontade”. Durante a Santa Missa, Ele me fez entender tão distinta quanto intimamente duas queixas e uma promessa.
Primeira queixa: Poucas almas querem compadecer-se de minha agonia.
Segunda queixa: Poucas almas, mesmo as consagradas, sabem compadecer-se da Agonia do meu Coração.
Promessa: Faço grandes confidências as almas que querem consolar-me em minha agonia.” (Bem-aventurada Dina Belánger 1897-1929)

Tudo isso pode parecer distante, mas todos temos ocasiões em que somos levados ao horto. Uma grande ocasião é o puerpério, período pós nascimento do bebê, a solidão que se sente, as noites em claro, as angústias, os medos, a dificuldade na amamentação que nos faz literalmente sangrar. Também tantas outras, como mudar-se para um lugar novo longe dos amigos, da família; as esposas que ficam sozinhas enquanto seus maridos viajam a trabalho ou trabalham embarcados; as viúvas e tanto mais.

É verdade que um Anjo consolou o Senhor, e também nós, em meio às nossas agonias, recebemos algum consolo (humano ou espiritual). Mas, o consolo só veio depois da total conformidade com a vontade do Pai. De qualquer modo, não podemos viver dependentes de consolo cada vez que experimentarmos o sofrimento. A vida espiritual não é sensorial e baseada em sentimentos. Não tenhamos medo de fazer companhia ao Senhor no Horto, de esquecer o nosso sofrimento e consolá-Lo. Não cresceremos espiritualmente enquanto formos tão dependentes das criaturas e enquanto quisermos que seja feita a nossa vontade. Devemos aprender de Jesus a forma perfeita de orar e viver: que se cumpra fielmente a vontade do Pai e, para isso, teremos de ser crucificados.

Older posts