Lírio entre espinhos

Uma família católica buscando a santidade

Como lírio entre os espinhos

No Ofício da Imaculada Conceição há o seguinte trecho: “Qual lírio cheiroso entre espinhas duras, tal sois vós Senhora entre as criaturas”. A Virgem Maria já havia recebido esse título nas Sagradas Escrituras: “Qual o lírio entre os espinhos, tal é a minha querida entre as donzelas.’’ (Cantares 2,2)

Comentando esta passagem, Santo Afonso Maria de Ligório, no seu livro Glórias de Maria, imagina Deus dirigindo-se a Virgem Maria com estas palavras: “Filha por excelência entre o resto das minhas filhas, sois como o lírio entre os espinhos, pois todas as outras foram manchadas pelo pecado, e só vós fostes sempre imaculada e sempre minha amiga”. Outra comparação faz Santa Brígida: “Assim como o lírio cresce entre os espinhos, assim cresceu Maria entre os sofrimentos”. 

O lírio, por sua beleza pura e sublime perfume, é usado com frequência para designar as virtudes. Ele pode, porém, ser aplicado também a uma porção de coisas boas que, em nossas vidas, restam no meio dos espinhos. Esta é a nossa interpretação da missão a qual o Senhor nos chamou e chama a todas as famílias: “Sicut lilium inter spinas’’, ser como lírio entre os espinhos. Assim como Nossa Senhora, devemos crescer entre os sofrimentos.

A Exortação Apostólica ‘Familiaris Consortio’ nos traz o que é essa missão: 

§50. «Cada família comunicará generosamente com as outras as próprias riquezas espirituais. Por isso, a família cristã, nascida de um matrimônio que é imagem e participação da aliança de amor entre Cristo e a Igreja, manifestará a todos a presença viva do Salvador no mundo e a autêntica natureza da Igreja, quer por meio do amor dos esposos, quer pela sua generosa fecundidade, unidade e fidelidade, quer pela amável cooperação de todos os seus membros» .

§52. «A família, como a Igreja, deve ser um lugar onde se transmite o Evangelho e donde o Evangelho irradia. Portanto no interior de uma família consciente desta missão, todos os componentes evangelizam e são evangelizados. (…)Uma tal família torna-se, então, evangelizadora de muitas outras famílias e do ambiente no qual está inserida». «A família cristã proclama em alta voz as virtudes presentes do Reino de Deus e a esperança na vida bem-aventurada».

§54. Animada já interiormente pelo espírito missionário, a Igreja doméstica é chamada a ser um sinal luminoso da presença de Cristo e do seu amor mesmo para os «afastados», para as famílias que ainda não crêem e para aquelas que já não vivem em coerência com a fé recebida: é chamada «com o seu exemplo e com o seu testemunho» a iluminar «aqueles que procuram a verdade».”

Quando nos dispomos a amar como Nosso Senhor nos ensinou, podemos dizer, em parte, como nos diz Santa Teresa: ‘’cum dilatasti cor meum’’, dilatastes o meu coração. O amor tem essa característica e capacidade de se dilatar em todas as direções porque não se encerra em si mesmo, senão que transborda ao encontro do outro. 

Dessa forma, acolhemos, por sugestão do nosso amado diretor espiritual, esta missão e também experiência de dilatar o coração da nossa família para tantos outros corações. 

Que o bom Deus nos dê a Sua benção e a Santíssima Virgem nos acompanhe! E que todos sejam bem vindos, como diria São Josemaria, ao nosso lar “luminoso e alegre”!


Referências

  1. Ofício da Imaculada Conceição
  2.  Cantares 2,2
  3. Glórias de Maria
  4. Familiaris Consortio
  5.  É Cristo que passa

1 Comment

  1. Priscila Alverim S. Gomes

    19 de março de 2017 at 23:57

    bendita sugestão! Agradecemos por abrirem seu lar para compartilhar conosco a vontade de Deus que é praticada por vocês! Que muitas famílias possam práticas as virtudes compartilhadas!!! Que Deus nos abençoe!

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*