Lírio entre espinhos

Uma família católica buscando a santidade

Tag: mulher (page 1 of 2)

A verdadeira dignidade da mulher – parte 2

Tempo de leitura: 5 minutos

Ontem lançamos a primeira parte do artigo ”A verdadeira dignidade da mulher.” Hoje trouxemos sua continuação!

Desfiguração do ser feminino: o feminismo

Sob a premissa de uma suposta luta por igualdade entre os sexos, excelente combustível do marxismo cultural, o feminismo foi ganhando espaço entre nós. Mas que igualdade é essa? Se pararmos para estudar e pensar, no fundo, a raiz do feminismo é um ódio ao feminino, pois busca transformar as mulheres em homens. Deus nos criou, ao homem e à mulher, iguais em dignidade, a Sua imagem e semelhança, mas quis que houvesse diferenças entre os dois sexos. Estas diferenças entre “ser homem” e “ser mulher” fazem com que exista uma complementariedade entre nós, não para que sejamos um maior do que o outro, mas sim uma perfeita harmonia.

Dizer que não há mulheres que sofram, que não exista uma realidade de opressão ou homens ruins é fechar os olhos para uma realidade tão triste como a das mulheres do oriente (como as muçulmanas) e negar a existência do pecado original. Há sim situações em que mulheres, até mesmo próximas de nós, são humilhadas, violentadas, e tudo isso é consequência do pecado, não da natureza da mulher e do homem, muito menos de Deus. O feminismo não busca resolver esses problemas, visto que para isso é necessária uma cruzada pela santidade. Ao contrário, ele busca culpar o homem e vitimizar a mulher até mesmo quando a situação exige justiça. Há inúmeros casos de mulheres que cometem abusos até mesmo de seus próprios filhos, que traem, que humilham seus esposos e tanto mais.

Toda a tragédia do feminismo contemporâneo tem sua origem na falta de fé e na perda do sentido sobrenatural. Vivemos em um mundo tão profundamente mergulhado no secularismo que a maioria de nós sequer tem noção de que somos influenciados por essa desastrosa ideologia. A ”filosofia” do feminismo ao declarar guerra à feminilidade está, na verdade, declarando guerra à Cristandade, afinal, o grande aliado das mulheres é Cristo.

Aos poucos o feminismo veio trazendo para a sociedade valores que foram sendo absorvidos e tidos como normais, em busca de uma certa liberdade da mulher. Mas que liberdade seria essa? Pesquisas apontam que as mulheres de hoje estão mais infelizes do que jamais estiveram nos últimos 35 anos.⁶ A suposta liberdade tão ferrenhamente defendida pelas feministas na verdade é uma prisão.

O surgimento das pílulas anticoncepcionais liberou a mulher de que? De ter filhos? Não, liberou-a da pureza. Arrancou dela a virtude e a dignidade e a jogou na lama do pecado e da depravação, tornando-a objeto para os homens. Arrancou dela o amor e a consciência da sua vocação, originada em Deus, raiz de sua felicidade terrena e eterna, dando para ela um útero estéril, doenças físicas (trombose, DSTs e tantas outras) e uma consciência tão pobre e deturpada que renega a sua própria natureza de ser mãe.

O divórcio liberou a mulher de que? De uma instituição social? Não, liberou-a da segurança de um relacionamento estável, de um homem que lhe provesse em suas necessidades, de uma família firme na rocha que é Cristo. Colocou-a no último dos lugares, dependendo de pensões, submetendo seus filhos a situações de estresse, falta de estabilidade, brigas, isso quando não fazem seus animais de estimação de filhos, com medo de envelhecer, travando uma luta contra o ritmo natural do próprio corpo, preocupadas em atrair relacionamentos fracassados que só buscam o prazer, vazio existencial e tanto mais. Jogou-a no mercado de trabalho a pontapés.

A igualdade entre os sexos a liberou de que? De uma opressão por ser considerada inferior? Não, liberou-a de ser ela mesma, de ser mulher, da sua própria feminilidade que é um dom, uma riqueza, que é belo, que é profundo, que traz felicidade, que realiza. Transformou-a em um ser raivoso, obscena, vulgar e irada, incapaz de se sacrificar por alguém, petulantes, superficiais, maliciosas e exageradamente sensuais. Arrancou toda a sua ternura, sensibilidade e deu a ela a triste realidade de ser manipuladora, fofoqueira, ansiosa e ambiciosa. Arrancou sua natureza espiritual profundo, deixando-a um ser oco, vazio, onde abundam partes do corpo mas falta alma. Ela quer tanto ser um homem que tem se liberado das normas mais básicas de higiene para se parecer com ele, transformando-se em um ”macho mal acabado”.

A ida ao mercado de trabalho liberou a mulher de que? Da humilhação de depender de um marido que a provesse em suas necessidades? Não, liberou-a da sua própria família, da sua felicidade, do seu reino que é o lar para jogá-la na sarjeta das empresas que não estão interessadas em mais nada do que em escravizá-las. Arrancou a mulher do seu reino calmo e tranquilo para subjugá-la em um ambiente estressante, sugando todas as suas energias e tempo para que não se dedique a família, para que não se case, para que se divorcie, não tenha filhos e passe a sua vida acreditando que está fazendo uma grande obra, quando na verdade está erigindo um castelo de areia.

O caminho de volta

Uma coisa é certa: quando chegar a hora, nada que tiver sido produzido pelo homem subsistirá. Um dia, todas as realizações humanas serão reduzidas a um monte de cinzas. Por outro lado, todas as crianças nascidas de mulher viverão eternamente, pois a elas foi concedida uma alma imortal, feita à imagem e semelhança de Deus. Sob essa luz, a afirmação de Simone de Beauvoir de que “as mulheres não produzem nada”, mostra-se especialmente ridícula.”

É preciso trilhar o caminho de volta para casa e isso significa duas coisas: mais do que voltar para o lar, principalmente, devemos voltar para Deus, caminhando dentro de nós, redescobrindo, à luz da fé a nossa autêntica natureza, missão e vocação. É um caminho árduo mas essa é a verdadeira libertação da mulher, que a libera de tantos estereótipos e a faz fiel ao plano de Deus, Sabedoria Infinita, que lhe criou única, um jardim com tantas flores, um castelo ornado com tantas joias.

Essa é a nossa coroa de glória: a família. Coroa que tantas vezes floresce, mas na maior parte das vezes é de espinhos. As pequenas recompensas recebemos todos os dias, mas a grande recompensa está guardada para o entardecer da vida. Só quem tem os olhos voltados para o Alto consegue entender e enxergar coisas que passam tão despercebidas para aqueles “que tem olhos mas não veem” (cf. Salmos 113, 13). Verdadeiramente, a Cruz para o mundo é loucura, mas para nós que cremos, é salvação.

Que os nossos olhos aprendam do modelo perfeito da feminilidade, Maria Santíssima, mulher forte por excelência e só assim seguiremos seguras pelo caminho que mais do que nos realiza, faz de nós santas, amantes do único Amor amável, fonte de todos os amores, o Doce Jesus.

Referências

5 Alice von Hildebrand, O privilégio de ser mulher

Phyllis Schlafly, O outro lado do feminismo

 

Aproveito para indicar outros livros:

Kimberly Hanh, Amor que dá vida

Mary Pride, De volta ao lar

Pe. Geraldo Pires, As três chamas do lar católico

Pio XII, Casamento e família

Esposa, Mãe, Ordem Terceira VE

“Desejo que Jesus me triture interiormente para que eu me torne uma hóstia pura onde Ele possa repousar.” (Sta Teresa dos Andes)

A verdadeira dignidade da mulher – parte 1

Tempo de leitura: 4 minutos

Por que precisamos falar do que é verdadeiramente ser mulher?

Definitivamente estamos em uma época chave, pois vivemos em um mundo que encontra-se totalmente desestabilizado, onde nós, mulheres, não sabemos mais quem somos.¹ Muitos discursos são empregados a esse respeito e talvez, muito facilmente, por desconhecer a nossa origem e nosso fim, podemos ser seduzidas por eles. Como nos diz o Pe. Fuentes, IVE, em seu livro ‘Elogio de la mujer fuerte’,² ante uma sociedade andrógina com a nossa, a mulher deve entender sua maravilhosa missão – dom de Deus – , que passa por compreender em todas as suas dimensões sua vocação de Filha, Esposa e Mãe.

Há um grande mito: o de que a Igreja é a grande promotora da opressão e humilhação das mulheres. Na verdade, foi o Cristianismo que libertou a mulher da condição de quase escrava em que ela se encontrava no mundo pagão. Cristo resgatou a mulher e não é preciso ir tão longe na história, basta apenas recordar do grande dia da Anunciação, onde Deus se fez carne no ventre dA mulher, Maria Santíssima, Mãe do Verbo Encarnado, Mãe de Deus, Mãe da humanidade, nossa Mãe. A mais alta dignidade foi conferida a uma mulher e assim Maria Santíssima elevou a dignidade de todas as mulheres.

As mulheres encontraram na Igreja, conforme a sua própria condição, seu lugar digno: foi-lhes permitido formar comunidades religiosas dotadas de governo próprio, dirigir suas próprias escolas, conventos, colégios, hospitais e orfanatos, coisa impensável no mundo antigo. ³ Quantas mulheres se destacaram no Cristianismo desde o seu início, como Santa Helena, Santa Joana D’Árc, Santa Hildegarda, Santa Catarina de Sena, Santa Teresa e tantas outras santas, casadas, virgens, mártires. O grande problema é que para o mundo esses exemplos não importam.

A mulher sempre foi a salvaguarda da família, das tradições, dos valores. Ela, como esposa, mãe, educadora é a grande responsável pela formação de uma sociedade virtuosa e por isso hoje é tão atacada. Através de um plano diabólico arquitetado (isso é assunto para outro post) o feminismo veio sendo instaurado em nossa sociedade, levando a mulher a perder o sentido da sua dignidade que só pode ser entendida e vivida em Deus, Aquele que nos criou, que nos conhece, que nos deu uma vocação, nos deu uma estrutura e para o qual hemos de voltar um dia. E se a mulher é destruída, toda a sociedade sucumbe com ela. Já dizia o Arcebispo Fulton Sheen que o nível de qualquer civilização é o nível de sua feminilidade.

A maternidade

São João Paulo II na época de seu pontificado escreveu uma carta apostólica chamada Mulieris Dignitatem que trata da vocação e dignidade da mulher. Nela, ele explica que há uma riqueza que configura o gênio próprio da mulher, o chamadoingenium mulieris’que é a mulher como foi concebida em sua natureza. E o que é próprio da mulher? A maternidade. É uma capacidade inata e exclusiva da mulher.

“Os recursos pessoais da feminilidade certamente não são menores que os recursos da masculinidade, mas são diversos. A mulher deve entender a sua «realização» como pessoa, a sua dignidade e vocação, em função destes recursos, segundo a riqueza da feminilidade, que ela recebeu no dia da criação e que herda como expressão, que lhe é peculiar, da «imagem e semelhança de Deus».” (§10)

Não podemos masculinizar a mulher porque seria um empobrecimento trágico e uma revolta contra Deus Criador. Mas, o que temos visto em nossos dias é que o feminismo nos vem conduzindo a uma apropriação cada vez mais caricata dos trejeitos masculinos (sobretudo dos vícios), fazendo com que percamos a nossa originalidade própria e os recursos que apenas a feminilidade nos pode fornecer.

“Não se pode sob pretexto algum conduzir à «masculinização » das mulheres. A mulher não pode tender à apropriação das características masculinas, porque é contra a sua própria «originalidade» feminina. Existe o temor fundado de que por este caminho a mulher não se «realizará», mas poderia, ao invés, deformar e perder aquilo que constitui a sua riqueza essencial. Trata-se de uma riqueza imensa. Na descrição bíblica, a exclamação do primeiro homem à vista da mulher criada é uma exclamação de admiração e de encanto, que atravessa toda a história do homem sobre a terra.” (§10)

Só em Deus encontramos nossa autêntica originalidade. A plenitude da perfeição da vocação feminina está em Maria Santíssima, nosso grande modelo. Na Encarnação do Verbo encontramos as duas dimensões da vocação feminina: a Maternidade e a Virgindade.

“A graça nunca dispensa nem anula a natureza, antes a aperfeiçoa e enobrece. Portanto, a «plenitude de graça», concedida à Virgem de Nazaré, em vista do seu tornar-se «Theotókos» (mãe de Deus), significa, ao mesmo tempo, a plenitude da perfeição daquilo «que é característico da mulher», daquilo «que é feminino». Encontramo-nos aqui, em certo sentido, no ponto culminante, no arquétipo da dignidade pessoal da mulher.’’ (§5)

Toda mulher que atinge a plenitude da sua maturidade tem o coração de mãe, isso engloba a vocação matrimonial e religiosa. Rejeitar a maternidade é ir contra o plano de Deus criador, é não desejar atingir a maturidade humana e espiritual a qual fomos destinadas, e, mais ainda, é não desejar a nossa salvação, visto que está escrito: “A mulher será salva pela sua maternidade” – 1Tm 2,15

No próximo post, que sairá ainda nessa semana, falarei sobre a desfiguração do ser feminino e a importância de trilhar o caminho de volta para nossa verdadeira essência.

Referências

1 Jo Croissant, A mulher sacerdotal

2  Pe. Fuentes, IVE, Elogio de la Mujer Fuerte

3 Thomas E. Woods Jr, Como a Igreja Católica construiu a civilização ocidental

4 São João Paulo II, Mulieris dignitatem

 

 

Aproveito para indicar outros livros:

Kimberly Hanh, Amor que dá vida

Mary Pride, De volta ao lar

Pe. Geraldo Pires, As três chamas do lar católico

Pio XII, Casamento e família

 

Esposa, Mãe, Ordem Terceira VE

“Desejo que Jesus me triture interiormente para que eu me torne uma hóstia pura onde Ele possa repousar.” (Sta Teresa dos Andes)

Elogio da mulher forte

Tempo de leitura: 10 minutos

“Uma mulher virtuosa, quem pode encontrá-la? Superior ao das pérolas é o seu valor. Confia nela o coração de seu marido, e jamais lhe faltará coisa alguma. Ela lhe proporciona o bem, nunca o mal, em todos os dias de sua vida. Ela procura lã e linho e trabalha com mão alegre. Semelhante ao navio do mercador, manda vir seus víveres de longe. Levanta-se, ainda de noite, distribui a comida à sua casa e a tarefa às suas servas. Ela encontra uma terra, adquire-a. Planta uma vinha com o ganho de suas mãos. Cinge os rins de fortaleza, revigora seus braços. Alegra-se com o seu lucro, e sua lâmpada não se apaga durante a noite. Põe a mão na roca, seus dedos manejam o fuso. Estende os braços ao infeliz e abre a mão ao indigente. Ela não teme a neve em sua casa, porque toda a sua família tem vestes duplas. Faz para si cobertas: suas vestes são de linho fino e de púrpura. Seu marido é considerado nas portas da cidade, quando se senta com os anciãos da terra. Tece linha e o vende, fornece cintos ao mercador. Fortaleza e graça lhe servem de ornamentos; ri-se do dia de amanhã. Abre a boca com sabedoria, amáveis instruções surgem de sua língua. Vigia o andamento de sua casa e não come o pão da ociosidade. Seus filhos se levantam para proclamá-la bem-aventurada e seu marido para elogiá-la. Muitas mulheres demonstram vigor, mas tu excedes a todas. A graça é falaz e a beleza é vã; a mulher inteligente é a que se deve louvar. Dai-lhe o fruto de suas mãos e que suas obras a louvem nas portas da cidade.” (Provérbios 31, 10-31)

O que significa uma mulher forte?

“Uma mulher forte, quem poderá encontrá-la? Superior ao das pérolas é o seu valor.”

O primeiro louvor para a boa mulher é dizer que ela é coisa rara, ou seja, dizer que é preciosa e excelente, digna de ser muito estimada, porque tudo aquilo que é raro é precioso.
Mulher forte, quando traduzida do grego, significa mulher varonil. Frei Luis de León, em A perfeita casada, que é um comentário desse poema aplicado as esposas de seu tempo, usou a expressão “mulher de valor”. Valor no sentido de ânimo, que move a abraçar resolutamente grandes ideais e a enfrentar os perigos. Quer dizer virtude de ânimo e fortaleza de coração, um ser perfeito e completo naquelas coisas a quem essa palavra se aplica. Não é insegura, mas sim senhora de si e de seus princípios. E tudo isso tem como um tesouro em si quem é boa mulher e não o é quem não o tem. Não devemos entender o valor de força como força física, mas sim como a virtude cardeal da fortaleza, com a firmeza e o esforço da alma. Exatamente no mesmo sentido usava Santa Teresa quando pedia que suas monjas parecessem “fortes varões”.

Com grandíssima verdade, o Espírito Santo não chamou a mulher apenas de “boa” mas sim de mulher “de valor”. Isso significa dizer que a mulher boa é mais do que boa e que isso que dizemos como boa é uma forma mediana de falar, que não expressa aquela excelência que há de ter e tem em si a mulher boa.
Dizer mulher perfeita, no fundo, é como dizer a ‘mulher-mulher’: a mulher realmente como tal. Não se refere tanto a um papel ou outro senão a sua essência feminina.

Uma boa mulher é um acúmulo de riquezas, e quem a possui é rico só com ela e somente ela pode fazê-lo venturoso e afortunado; o marido há de levá-la sobre sua cabeça, e o melhor lugar no coração do homem deve ser para ela, ou, para dizer melhor, todo seu coração e sua alma; e há de entender que ao tê-la, tem um tesouro geral para todas as diferenças de tempos que é a varinha de virtudes, como dizem, que em qualquer tempo e conjuntura responderá com seu gosto e preencherá seu desejo; que na alegria tem nela doce companhia com quem acrescentará seu prazer, comunicando-o; e na tristeza, amoroso consolo; nas dúvidas, conselho fiel; nos trabalhos, repouso; nas faltas, socorro; e medicina nas doenças, aumento de seus bens, vigia de sua casa, mestra de seus filhos, provedora de seus excessos; e finalmente, nas boas e más situações, na prosperidade e adversidade, na idade florida e na velhice cansada, e, durante toda a vida, doce amor, paz e descanso.

Temos aqui um bom fim ao que deve apontar a educação feminina: formar mulheres fortes, mulheres de valor e não simplesmente mulheres boas, que, apesar de não ser algo pejorativo, dá a ideia de conformar-se com pouco.

Mulher de confiança

“Nela confia o coração de seu marido.”

Desta mulher perfeita, a primeira virtude que o poema traz é que é uma pessoa de confiança. Confiar, aqui, tem um sentido intenso, entendido como “depositar a confiança”. O marido pode descansar o coração em sua mulher.

Ser uma pessoa de confiança é algo muito importante na vida. Uma pessoa de confiança é alguém que sabemos que busca o nosso bem e, sobretudo, protege-nos e não nos abandona no perigo. É alguém que se arrisca por nós e não falha quando precisamos.

Para que se possa colocar a confiança em uma pessoa, esta deve estar revestida de qualidades que a façam confiável. A primeira coisa é o respeito e o amor pela verdade. Em segundo lugar, o respeito pela justiça, honestidade, pela fama do próximo e seus bens, a sinceridade, etc. Se a mulher não possui honestidade, não é mulher. A mulher que não é honesta é torpe e abominável.

Não se pode confiar em uma pessoa que tem discurso dúbio, que recorre às meias verdades ou mentiras, que é caluniadora. Uma pessoa de confiança é alguém honesto, reto e responsável. Alguém a quem confiaríamos o que temos de mais preciosos com a segurança e a certeza de que o cuidaria como nós cuidamos.

Para educar pessoas de confiança é imprescindível saber delegar com confiança, encarregar coisas e supervisionar sem invadir. Se não confiamos, nunca forjaremos corações confiáveis.

A mulher deve ser honesta e simples no seu proceder, nas suas palavras, nos pensamentos para consigo mesma e para com os outros. Simples para fazer de Deus seu objetivo, para se apoiar em Deus como meio, para reconhecer que nada pode fazer por si mesma; e na maneira de se portar, de se vestir e de se adornar.

Econômica

“Não lhe farão falta os despojos.”

É próprio da mulher poupar. Por isso é chamada de economia do lar.

Bondosa

‘’Pague-lhe com bem, não com mal, todos os dias de sua vida.’’

O ofício natural da mulher é que ajude o homem. A mulher deve ser o reduto da bondade para com todos. Deve ser o doce e perpétuo descanso, a alegria do coração e um agrado tênue.

A mulher deve ser terna. A ternura é o amor que se manifesta na doçura e delicadeza dos gestos, do olhar, da presença amorosa.

Significa que a mulher deve se esforçar, não para causar problemas ao marido e sim para livrá-lo deles e em lhe ser perpétua causa de alegria e descanso. Porque, que vida é a daquele que vê consumir seu patrimônio nos desejos de sua mulher, que seu trabalho é levado todos os dias pelo rio, pelo esgoto, que tomando cada dia novos caminhos, crescendo continuamente suas dívidas, vive vil, escravo, aferrado ao joalheiro e ao mercador?

Deus, quando quis casar o homem, dando-lhe a mulher, disse (Gênesis, 2): “Façamos-lhe um ajudante que seja semelhante”, de onde se entende que o ofício natural da mulher, e o fim para o qual Deus a criou, é para que ajude seu marido e não para que seja sua calamidade e desventura: ajudante e não destruidora. Para que o alivie nos trabalhos que acarreta a vida de casado, e não para que acrescente novas cargas. Para repartir entre si os cuidados, tomar sua parte. E finalmente, não as criou Deus para que sejam rochas onde quebrem os maridos e naufraguem os bens e as vidas, e sim portos desejados e seguros onde, chegando em suas casas, repousem e se refaçam das tormentas dos trabalhos pesadíssimos que realizam fora delas.

Como dissemos, de cuidar de sua casa e de alegrar e distrair continuamente seu marido, nenhuma má condição dele a desobriga; mas não por isso devem pensar eles que têm permissão para ser ferozes com elas e fazê-las escravas; antes como em todo o resto o homem é a cabeça, por isso todo esse tratamento amoroso e honroso deve partir do marido; porque há de entender que é sua companheira, ou melhor dizendo, parte de seu corpo e a parte fraca e tenra, e a quem pelo mesmo motivo se deve particular cuidado e zelo.

Ainda há nisto outro inconveniente maior: como as mulheres são menos enérgicas, e pouco inclinadas às coisas que são de valor, se não as alentam, quando são maltratadas e não levadas em conta pelos maridos, perdem o ânimo e não conseguem colocar as mãos nem o pensamento em alguma coisa, por melhor que seja.

O marido sensato não deve oprimir nem envilecer com más obras e palavras o coração da mulher que é frágil e modesto, mas ao contrário, com amor e com honra há de elevá-la e animá-la, para que sempre conceba pensamentos honrosos. E a mulher, como dissemos acima, foi dada ao homem para alívio de seus trabalhos, e para repouso e doçura e afago, pela mesma razão e natureza pode ser tratada por ele de modo doce e afetuoso porque não se consente que se despreze alguém que lhe dá conforto e descanso, nem que traga guerra perpétua e sangrenta com aquilo que tem o nome e o ofício da paz.

Laboriosa

‘’Ela procura lã e linho e trabalha com mão alegre. Semelhante ao navio do mercador, manda vir seus víveres de longe. Levanta-se, ainda de noite, distribui a comida à sua casa e a tarefa às suas servas. Ela encontra uma terra, adquire-a. Planta uma vinha com o ganho de suas mãos. Cinge os rins de fortaleza, revigora seus braços. Põe a mão na roca, seus dedos manejam o fuso. Vigia o andamento de sua casa e não come o pão da ociosidade.’’

A preguiça é a mãe de todos os vícios. Na ordem espiritual a preguiça é filha da ascídia, e faz estragos, como nos fizeram notar os padres do deserto.

Laboriosidade não significa somente trabalhar, senão que trabalhar com gosto, que se ame o trabalho. Isso é o que significa “com mãos diligentes”, ou, como diz outra tradução, “suas mãos trabalham com gosto”. A mulher elogiada no poema é uma pessoa que não está quieta: se senta, tece, vende, sabe comercializar e planta.

Há que se ensinar a trabalhar e a amar o trabalho. Há que se ensinar a trabalhar bem. Não se transforma o mundo sem um bom trabalho. Temos que trabalhar para crescer em perfeição e nos santificarmos e isso só acontece quando se faz bem o que se tem que fazer. Hoje em dia perdeu-se notavelmente a cultura do trabalho, porque se trabalha unicamente na medida em que seja necessário ganhar algo.

Há ainda uma falsa ideia de que somente trabalha a mulher que se emprega fora de casa. As tarefas de dona e senhora de sua casa não são consideradas como um trabalho. Muitas mulheres acabam saindo de casa para trabalhar não por necessidade, mas procurando realizar-se, desconhecendo, assim, o trabalho que mais as realiza segundo seu gênio feminino. Precisamente, a laboriosidade que elogia o poema sagrado é a que a mulher exerce no âmbito maravilhoso do mundo caseiro a que ela está chamada a transformar em paraíso familiar.

Não diz que o marido comprou linho para que ela lavrasse, mas que ela o procurou para mostrar que a primeira parte de ser prendada é saber aproveitar o que tem em casa.

Tenha valor a mulher e plantará a vinha; ame o trabalho e acrescentará em sua casa, ponha as mãos no que é próprio de seu ofício e não se despreze dele, e crescerão suas riquezas; não amoleça, nem se faça de delicada, nem tenha por honra o ócio, nem por estado o descuido e o sono, mas ponha força em seus braços e acostume seus olhos ao desvelo, e saboreie o trabalho e não se prive de pôr as mãos no que se refere ao ofício das mulheres, por baixo e miúdo que seja, e então verá quanto valem e onde chegam suas obras.

Oração e esperança escatológica

“Não se apaga de noite a sua lâmpada.”

Quem não associa essa expressão com a parábola das jovens prudentes? As jovens prudentes mantiveram a lâmpada acesa, estiveram alertas em oração esperando a chegada do Esposo Celestial. Jesus, com aquela parábola, nos incitava a orar constantemente e a estar preparados, vivendo em graça, porque em qualquer momento se pode apresentar a nossa porta o “Senhor que vem”.

Devemos ter os olhos levantados em direção ao horizonte e um pouco ainda mais alto, como quem espera a alguém que há de vir de longe e do alto. Devemos tender sempre à Eternidade, conscientes de um juízo final e convencidas de que este mundo, com suas aparências, passa depressa e que a verdadeira vida começa depois desta.

Se não conseguirmos isso, seremos pessoas ancoradas no mundo, homens e mulheres fincados no mundo temporal, cidadãos da cidade terrena. Mundanos.

Misericordiosa

‘’Estende os braços ao infeliz e abre a mão ao indigente.’’

O mundo em que vivemos é um mundo anti-solidário, duro de coração. Precisamos de mulheres capazes de privar-se do seu apara ajudar aos demais, capazes de sacrificar seu tempo, seus bens, suas coisas.

Deixa bem aos seus

“Seu marido é bem considerado nas portas.”

A Sagrada Escritura louva muito a mulher que deixa seu marido bem e se lamenta muito do pobre marido que não pode apresentar-se em público porque todos o zombam pela mulher que tem.

Sábia

“Abre sua boca com sabedoria”.

Ao contrário do que se pensa de que a mulher ocupa-se apenas com o funcionamento do lar e mal tem tempo ou interesse de estudar, a mulher de Provérbios não só era sábia porque tinha conhecimento, mas também por sua experiência e vigilância dos preceitos divinos.

Para dar um bom conselho, para corrigir bem aos filhos, fazer bons pedidos, negociar, educar, se relacionar com os familiares e amigos, para tudo isso é necessário que a mulher abra a sua boca com sabedoria e não com coisas torpes, sujas, indecentes, maldosas.

Caridosa

“Lição de amor há em sua língua.”

A mulher de provérbios não usa seu dom de falar para insultar as pessoas, difamá-las, provocá-las, gerar contendas, confusões, intrigas, maledicências, fofocas, mentiras, e por aí vai. Também não murmura ou reclama. Da boca da mulher deve sair nada menos que uma Lição de Amor.


Referências

Esposa, Mãe, Ordem Terceira VE

“Desejo que Jesus me triture interiormente para que eu me torne uma hóstia pura onde Ele possa repousar.” (Sta Teresa dos Andes)

Older posts