Lírio entre espinhos

Uma família católica buscando a santidade

Tag: rotina

O sono do Bento

Tempo de leitura: 6 minutos

Escrevo esse post não com o intuito de oferecer uma fórmula mágica que miraculosamente fará com que os bebês durmam espetacularmente bem. Mas, sim, para oferecer a nossa experiência bem sucedida com o Bento.

Também não tenho a intenção de dizer que essa é a forma correta. Há muitos caminhos que podem ser percorridos e esse foi o que escolhemos para a nossa família. Ele é resultado da leitura de várias referências sobre o assunto,  de conversas com outras pessoas, com nossas mães, o crivo crítico do que consideramos melhor e mais natural na forma de conduzir o Bento ao objetivo e  também um “diálogo” sensível com o Bento observando os sinais que ele dava, sem levá-lo a um estresse desmedido.

Para nós, não foi uma escolha buscando conforto pessoal, mas sim uma melhor qualidade de sono para nosso filho. Um bebê (após certa idade) que acorda repetidas vezes durante a noite não descansa e fica irritadiço e carente durante o dia, além de apresentar, atrelado a isso, dificuldades na alimentação. Somado a isso, ter uma boa noite de sono deixa os pais, principalmente as mães, muito mais capazes de lidarem bem e educarem seus filhos. Uma mãe exausta ou que não dorme é uma mãe impaciente, irritadiça, com alto nível de frustração e tristeza, com dificuldade de ter rotina e realizar atividades, com dificuldade de atenção, de resolver problemas, sempre cansada, possivelmente com problemas no matrimônio também.
Quando os filhos dormem bem, todo mundo ganha, principalmente as crianças. Devemos estar conscientes e acreditando nisso ou não seremos capazes de dar o próximo passo.

O recém nascido

Antes de mais nada é preciso saber um pouco sobre como é o sono do RN e porque os métodos não funcionam e nem devem ser aplicados até os 4 meses.
Os recém nascidos não sabem nada sobre sono, precisam ser ensinados. Eles não sabem que a noite é pra dormir. Pra eles a noite é pra mamar, pois é na madrugada que há o pico mais alto de prolactina  (hormônio da amamentação). Por isso, principalmente nos primeiros dias de vida, os bebês praticamente dormem o dia todo e mamam a noite toda. Isso é essencial para o sucesso da amamentação.
Quando vem a apojadura (descida do leite), as coisas começam a melhorar um pouco, pois o leite gordo começa a vir e as mamadas vão se espaçando. Mas, as coisas não melhoram muito, pois o estômago deles é muito pequeno e, como o leite materno é digerido rápido, precisam mamar mais vezes.
Conforme vão crescendo, o estômago vai aumentando e as mamadas se espaçam cada vez mais. Com 15 dias já estão de 3 em 3h na maioria dos casos.
Eles tem ciclos de sono e muitas vezes não saber voltar a adormecer. É uma habilidade que nós adultos já temos e que precisamos ajudar nossos bebês a terem também.
Além disso, até os 3 meses muitos bebês sofrem com cólicas.
Para que o bebê vá entendendo melhor sobre dormir, há algumas coisas que podemos fazer:
1- Adormecer em local escuro. Durante a noite sem luz nenhuma e durante o dia com luminosidade natural, mas sem cortinas abertas. O hormônio do sono (melatonina) só funciona no escuro. Muitos bebês deixam de dormir a noite porque os pais põe aquelas luminárias acesas a noite toda. O útero era escuro e eles amavam!
2- Silêncio. Os bebês dormem muito melhor sem músicas e chiados, ao contrário do que se pensa (eu também pensava!). E também o silêncio os vai educando à hora de dormir, pois durante o dia já há barulho natural, porque fazemos atividades, mas durante a noite todos dormem no silêncio.
3- Ter seu bercinho. Dormir com o neném da gente é muito bom, né? Mas também não é. Há prós e contras. Para nós, muito mais contras. Vale a pena pesquisar. Aqui levamos o Bento para dormir em seu quarto e berço com 15 dias. Antes dormia no carrinho.
4- Banho noturno. Além de relaxar, eles logo associam esse banho à hora de dormir.
5- Não pegar o bebê aos primeiros resmungos, apenas quando chorar. Aqui na França é comum que mesmo chorando os pais esperem 5 minutos para pegar os bebês. Essa simples atitude faz com que na maioria das vezes os bebês adormeçam de novo.
6- Deitar o bebê no berço e deixá-lo olhando pro nada até que adormeça. Nunca fiz, mas várias mães me disseram que fizeram assim e funcionava.
Em qualquer fase do bebê, o mais importante de tudo é ter rotina: horário e sequência de atividades. Mas isso é algo gradual.

A partir dos 4 meses

Segundo o nosso pediatra e o dr. Italo, a partir dos 4 meses o bebê já tem capacidade de aprender a adormecer sozinho e dormir uma noite inteira sem acordar.
Descobrimos isso primeiramente em uma consulta de rotina com o Dr. Marcos Santolim (muitos anos de consultório, pai, muito conhecimento científico e prático). Estávamos falando sobre como o Bento dormia bem e havia voltado a acordar com uns 6 meses. Então ele nos explicou que os bebês fazem isso e é apenas por hábito e carência, não por outros motivos. Por isso é um mau hábito e deve ser retirado, pois conforme cresce só vai piorando o padrão de sono. Além disso,  é comprovado cientificamente que, a partir dos 4 meses, o bebê que é amamentado durante a noite tem mais chance de desenvolver diabetes, pois aumenta muito o índice glicêmico e também a chance de obesidade no futuro. Não estou dizendo que o leite materno causa diabetes, mas sim que o fato de o alimentar durante a noite pode levar a isso.
Desde os 4 meses o bebê já tem o estômago do tamanho suficiente para adormecer a noite toda, mas, muito além disso a necessidade alimentar do bebê é e tem de ser suprida durante o dia. Assim são os mamiferos: se alimentam durante o dia e adormecem a noite.
Por isso, muitas vezes se o bebê acorda muito à noite é porque está mamando ou comendo pouco durante o dia.
Depois, no curso Afetividade Infantil e harmonia familiar, do dr. Italo, ele diz mais ou menos essas mesmas informações e faz o acréscimo da psicologia, reafirmando que a partir dos 4 meses o bebê pode adormecer sozinho sem mamar durante a noite e sem prejuízos psicológicos.

Desmame noturno gentil

Decidimos, após aquela conversa com o pediatra, que era hora de fazer o desmame noturno. Ele estava entre 6 a 7 meses e acabamos empurrando um pouco mais, até ele começar a jantar melhor. Assim que isso aconteceu, começamos. Nessa época ele havia voltado a acordar umas 2 a 3 vezes por noite.
O que fizemos:
1. Rotina do sono normal, horário de dormir igual todos os dias
2. Adormecia mamando e ia para o berço
3. Na primeira acordada o Gabriel ia, pegava o Bento no colo e sentava numa cadeira. Não o ninava nem nada. Quando adormecia, ia para o berço. É melhor que seja o pai, porque com a mãe o bebê geralmente resiste mais.
Na primeira noite, chorou 1h30 e acordou uma vez só.
Na segunda noite, 30 min.
Na terceira 15 min.
Na quarta dormia das 20h as 5h.
Não é um choro de dor, dá pra ver que o choro é de frustração, não é um choro sofrido.
4. Inserimos a técnica do despertar prolongado. Para que a criança durma até mais tarde, quando acordar pela manhã você a amamenta e ela volta a dormir. Assim ele dormia até umas 8:30 nessa época.
5. Quando está doente, eventualmente acaba mamando e depois precisa reaprender a não mamar à noite (justamente porque é um hábito), mas é bem rápido e praticamente não chora.
6. Às vezes acorda com pesadelos ou tem despertares, mas é raro.
7. Se o bebê acorda muitas vezes, pode começar a ir diminuindo o espaço entre as mamadas ou retirando uma mamada por vez. Fica a critério dos pais.

Ensinar a adormecer sozinho 

Quando Bento estava dormindo bem a noite, gostando da rotina, bem adaptado e seguro, decidimos avançar.
O método foi o mesmo do desmame noturno.
Depois Gabriel já o colocava dentro do berço e ficava dando tapinhas no bumbum.
Com o passar do tempo ele foi começando a adormecer cada vez mais rápido.
Hoje já não quer colo, quer deitar na caminha. Em menos de 5 minutos dorme.
Ainda permanecemos ao lado dele até adormecer, mas sem fazer nada, nem sequer olhando para ele. Mas também sem celular nem nada, mostrando que estamos ali, com ele.
Primeiro fizemos com o sono noturno e mais recente com a soneca diurna.
Bento não usou chupeta e não chupa dedo. Tentei inserir a naninha (objeto de transição) desde que nasceu, mas até hoje não pegou.
Quanto mais adereços ou manias vamos dando aos filhos para aparentemente facilitar as coisas, tudo vai ficando mais difícil e se tornando uma bola de neve.
Com os próximos filhos pretendemos fazer mais cedo. Não vimos prejuízo algum no Bento, muito pelo contrário, após isso, começou a se alimentar melhor do que antes e a ter sonecas diurnas de melhor qualidade (antes eram picotadas). Ele é uma criança segura, alegre, independente na possibilidade de sua idade, não é irritadiço, e por aí vai. Alguns dizem que tivemos sorte, mas eu acho que a verdade é que fizemos boas escolhas.

A rotina do Bento

Tempo de leitura: 7 minutos

Muitas mães me escrevem pedindo para eu relatar como é a rotina do Bento. Basicamente segue essa tabela que montamos de acordo com as particularidades de nossa família e a idade em que ele está. Ele está com 11 meses, mas essa é a tabela dos 6 meses até 1,5 ano. Ela não foi construída dessa forma desde a primeira vez, essa tabela é resultado de algumas adaptações e tentativas até que tudo se encaixou e começou a funcionar muito bem.

Nada de telas até os 2 anos de idade

Escolhemos, desde antes de o Bento nascer, que ele não teria contato com telas por um bom tempo. Inclusive, um tempo depois, tivemos acesso a uma pesquisa da Sociedade Americana de Pediatria que diz que crianças com menos de dois anos não devem ter contato com displays.

Em uma das primeiras consultas com o pediatra do Bento, dr. Marcos Santolim, ele nos alertou sobre o perigo das telas, que as crianças de até dois anos expostas às telas ficam hipnotizadas porque não enxergam como nós, mas sim veem as coisas como que girando. Além disso, essa exposição causa um empobrecimento das conexões neurais, problemas sérios com o sono, pouca memória, problemas de concentração e de visão, e até mesmo diminuição do potencial de inteligência.

O dr. Ítalo Marsili fala também que o excesso de estímulos visuais provenientes das telas causa uma distorção da forma como a criança enxerga a realidade, principalmente porque o que é apresentado nas telas é diferente da beleza do mundo real. Apesar de serem considerados vídeos educativos, eles não são a solução para ensinar coisas para as crianças. Sobre esse assunto, indico esse vídeo do Dr. Ítalo Marsili, psiquiatra, em que ele explica o fenômeno do Video Deficit Effect. E também esse artigo do professor Carlos Nadalim.

Para nós foi uma decisão muito natural, pois não temos costume de assistir televisão. Além disso, através de leituras e de experiências de outras pessoas, percebemos que o excesso de tempo dedicado às telas causa moleza e vícios na criança. Além de tornar-se uma muleta para os pais, que dificilmente deixam de expor a criança às telas em qualquer oportunidade de conseguir que cesse uma pirraça ou de ganhar um descanso tão sonhado.

Penso que, realmente, se usássemos os displays como expediente educativo ou de distração para o Bento, eu certamente teria uma vida mais fácil em certo sentido. E justamente por isso decidi não usar em hipótese alguma, ou, para mim, acabaria se tornando algo que eu usaria sempre. Mas, por mais que pareça difícil, não sinto falta desse artifício. Há várias maneiras de lidar com a criança, como envolvê-la nas atividades, fazer rotatividade de brinquedos, cantar, e por aí vai. Se os displays fossem tão necessários, como teriam sobrevivido as gerações passadas? Crianças precisam muito mais de quintal e paciência do que de vídeos, é o que pensamos.

Mas, em certas realidades, os displays ajudam, é verdade. Não quero dizer que somos melhores por isso, apenas mostro nosso esforço e o que nos levou a tomar essa decisão. Além de que, após os dois anos ou mais, pretendemos sim que o Bento assista desenhos infantis de boa qualidade, que tenham sido assistidos por nós antes e os quais possamos estar com ele ajudando a entender o que se passa. Os filmes e desenhos são expedientes educacionais e a criança precisa dos olhos dos adultos para entender o que se passa naquela realidade, qual lição deve ser aprendida, etc.

Muita leitura em voz alta

Com ensina o professor Carlos Nadalim, do blog Como educar seus filhos, após o nascimento do bebê, a leitura em voz alta proporciona uma série de benefícios, como:  estreitamento da relação afetiva entre pais e filho,  desenvolvimento da compreensão auditiva, treinamento da memória auditiva de curto prazo, enriquecimento do vocabulário, entendimento gradual de que a palavra escrita representa a palavra falada, aquisição do gosto pelos livros e pela leitura (para tanto, é importante não só que os pais leiam para os filhos, como também que os filhos vejam os pais lendo sozinhos).

Algumas dicas para escolher bons livros de histórias para as crianças de até 4 ou 5 anos:

1- As ilustrações são o que mais atrai a atenção da criança em um livro. Por isso, as imagens devem ser belas, com riqueza de traços e detalhes. Devem, sobretudo, ser uma bela representação da realidade. Assim, também devemos aproveitar os momentos de leitura para ensinar nossos filhos a apreciar a beleza e a arte.
Alguns tipos de ilustração podem desagradar, confundir e perturbar as crianças. São as ilustrações: disformes, distorcidas, desproporcionais, as representações de figuras humanas ou animais com economia de traços e expressões, as ilustrações psicodélicas, as ilustrações confusas onde o bem está representado pelo feio e o mal pelo bonito. É preciso que as imagens tragam para a criança uma ampliação do imaginário mas sem desfigurá-lo. Um desenho de uma árvore deve parecer com uma árvore. Para isso também são preferíveis as ilustrações que parecem desenhos feitos por uma mão humana ao invés dos digitalizados.

2- Além das imagens, é preciso que o livro tenha uma boa sonoridade do texto. Para isso é bom ler o livro em voz alta antes de comprá-lo, para ver se o texto é atraente. Livros com rimas são sempre um sucesso! Também é legal ver se ao longo da história há frases repetidas, pois elas mantêm a atenção das crianças.

3- Verifique se o livro contém boa estrutura de frases, amplo vocabulário, se a história tem um bom enredo e o que ela ensina para a criança. Contar uma história é abrir uma porta para um mundo que embora seja mágico, usa emoções, elementos e comportamentos do mundo real.

4- Dê preferência a: contos clássicos, fábulas de Esopo, histórias bíblicas e de santos. Também é legal ter um ou dois livrinhos sonoros.

Esses são os livros que temos usado com o Bento:

 

Musicalização

A música ajuda as crianças a conhecerem melhor a si mesmas, os outros e a vida. Além disso, através da música, desenvolvem ainda mais a imaginação e a criatividade.

Uma dica muito importante é cantar com eles cantigas de roda e ouvir música clássica (Mozart, Bach, por exemplo). Além disso, com o Bento ainda apresentamos canto gregoriano (vídeo e cantado por nós), polifônico, músicas tradicionais piedosas e também as medievais (Cantigas de Santa Maria, por exemplo) e Palavra Cantada.

Mas, apesar da música ser ótima para as crianças, não deve ser usada o dia todo. Helena Lubienska em seu livro ”Silêncio, gesto e palavra” e o dr. Ítalo em seu curso sobre Afetividade Infantil deixam bem claro que o ambiente natural da criança deve ser composto de silêncio (aqui toma-se por barulho os gritos, excesso de estímulos auditivos ou visuais, discussões, etc), ordem e tranquilidade.

Grande parte das pirraças infantis são por excesso de estímulos: muito tempo exposto a luzes no shopping, lojas, supermercados ou as luzes das telas, muitos sons, falta de rotina. Os hiperestímulos causam perturbação na criança e a deixam confusa e irritada.

Brincadeiras

Utilizamos as atividades semanais do livroSlow and Steady, get me ready como atividades de brincadeiras dirigidas. Assim, temos um tempo saudável e de qualidade para estar brincando de forma agradável e estimulante com o Bento. Esse livro possui atividades semanais que trazem instruções para construção de brinquedos simples com coisas que temos em casa e que desenvolvem capacidades da criança.

O Bento ama e nós economizamos muito!

Ar livre

A natureza é importante não só para formar uma afetividade saudável na criança, mas também o contato com a mesma estimula de forma positiva a consciência corporal, coordenação motora, muita “vitamina S” para a imunidade, vitamina D, descanso, exercício muscular e também da vontade, diversão, diminui o estresse e a agitação, afasta o sedentarismo e a moleza, impulsiona a criatividade e tanto mais!

Vida de piedade

Apesar de pequena, a criança tem um grande potencial observador e imitador, e por isso aprende principalmente pelo exemplo. Dessa forma, o que procuramos garantir ao Bento é que esteja inserido em nossa vida de piedade, sem cobrar o que ele não pode dar ainda, como por exemplo, ficar imóvel e concentrado enquanto rezamos o terço ou fazemos adoração. Para saber como é a nossa rotina de oração, acesse aqui.

A respeito dos gestos, ele já aprendeu a pedir a bênção e já junta as mãos para rezar e bate palmas depois de dizermos Viva Nossa Senhora!

Especificamente com ele rezamos a Oração da Manhã e da Noite com um breve colóquio de agradecimento, arrependimento e preces, seguido de uma Ave Maria e um Santo Anjo. Além disso, temos momentos no dia para pensar e falar com Deus. Esses momentos são em meio as brincadeiras ou quando ele está me ‘ajudando’ em alguma atividade. Geralmente digo pequenas frases, como, ”Podemos oferecer esse trabalho pelos pecadores” ou então ”Deus habita em nós e podemos falar o quanto O amamos o tempo todo.”

No fim da tarde, o Gabriel conta histórias bíblicas e de santos. E procuramos, naturalmente e em tudo, relacionar às coisas divinas.

Além disso, uma outra coisa que temos feito é quando ele passa por um momento difícil, como aprender a esperar, por exemplo, dizer: ” Nós sabemos como é difícil para você aprender a esperar. Vamos pedir ajuda ao Santo Anjo ou a Nossa Senhora?” E então rezamos brevemente com ele. Só o fato de rezar já o acalma, pois a entonação que usamos para rezar é diferente da fala ou do canto.

O final de semana

Procuramos ao máximo garantir certa sequência da rotina, principalmente de sono e alimentação.  As crianças não sabem que horas são, mas se guiam pela sequência da rotina a qual estão acostumadas, principalmente as relacionadas aos 4 hábitos básicos: sono, alimentação, higiene e ordem.

Referências

Carlos Nadalim, Como Educar seus filhos

Dr. Ítalo Marsili, Afetividade Infantil e Harmonia Familiar

Helena Lubienska, Silêncio, gesto e palavra

 

 

 

 

 

 

Rotina de organização da casa: o cardápio semanal

Tempo de leitura: 3 minutos

No post passado, comecei a falar um pouco sobre como funciona a nossa rotina. Para quem ainda não viu, foi sobre a limpeza da casa. Hoje escreverei sobre mais uma ferramenta para facilitar a vida doméstica: o cardápio semanal.
Decidir o que comer horas ou minutos antes de cozinhar traz prejuízos. Escolhas inadequadas podem render não só estresse e complicação para conseguir cozinhar,  mas até mesmo problemas de saúde. Já disseram uma vez: ”Uma cozinha bem dirigida poupa muitas despesas de farmácia. ”

“A arte culinária não é apenas a habilidade de preparar bons petiscos. Abrange também o conhecimento do valor nutritivo, das qualidades higiênicas dos alimentos. Reclama a variedade no tempero e no preparo do mesmo prato. E conta com a habilidade de saber aproveitar os restos. Junto ao fogão, a mãe há de ter em vista a idade, apetite, as preferências e as repulsas dos seus. Dará preferência ao que nutre e alimenta e não ao que sacia unicamente a gula”. ( Pe. Geraldo Pires de Souza – As três chamas do lar)

Muitas vantagens

O hábito de se ter um cardápio semanal tem muitas vantagens:

  1. Evita o desperdício: assim só se compra o que de fato se vai usar. Muitas vezes quando chegamos ao supermercado ou feira sem saber o que faremos durante a semana, acabamos comprando muitas coisas que depois estragam e precisamos jogar fora;
  2. Facilita a rotina: não precisa ficar pensando no que fazer. Se é algum prato que precisa de algum processo, pode-se até mesmo adiantar algo para facilitar depois na hora de preparar a refeição;
  3. Não te deixa desprevenido: às vezes nós passamos o dia pensando no que fazer pro jantar. Pensamos em mil opções! Mas quando chega na hora de preparar, não sabemos o que fazer. Seja porque faltou algum ingrediente, pela nossa indecisão ou porque não descongelamos a carne . Tudo isso pode ser evitado com o cardápio semanal!
  4. Propicia a inserção de novos pratos: acabamos fazendo sempre as mesmas coisas porque não paramos para procurar receitas ou organizar o tempo para executa-las. Com um cardápio semanal podemos colocar nossa criatividade pra funcionar! E isso é ótimo especialmente para quem tem crianças e precisa estar variando as cocções dos alimentos. Além de que, é uma ótima estratégia para sempre fazer algum prato preferido do marido!
  5. Facilita o rodízio de alimentos: garante que consigamos variar os alimentos por semana e aproveitar as frutas e verduras da estação. Por exemplo, se numa semana compra-se mandioca e batata inglesa, na outra pode-se consumir batata doce e inhame. Se numa semana compra-se alface e rúcula, na outra pode-se comer agrião e couve.
  6. Facilita que as refeições sejam feitas em família: com um cardápio organizado e ingredientes preparados, a hora de cozinhar não se torna um momento de guerra e estresse, mas um momento prazeroso, cheio de dedicação e amor.  Depois, a família reunida ao redor da mesa dará graças a Deus pelo alimento e pelas mãos que o prepararam e o desfrutarão juntos.

Como fazer?

Para fazer o cardápio semanal:

  1. Separe um dia da semana para isso;
  2. Que seja antes de ir às compras;
  3. Para começar, pense nas refeições grandes de cada dia (almoço/jantar e café da manhã/café da tarde);
  4. Depois acrescente os lanches.

Um exemplo de um dia do cardápio semanal:
Segunda feira

Café da manhã – Pão e bolo de cenoura
Lanche – Iogurte e mamão
Almoço/ jantar – Arroz, feijão, bife, batata assada e salada de rúcula com tomatinho cereja
Café da tarde – Panqueca de banana

 

No começo parece trabalhoso, mas depois fica muito fácil! E claro, o planejamento precisa ser flexível, porque a vida em família tem sempre seus imprevistos e particularidades! Além de que o cardápio de cada família é único, pois atende a necessidades específicas como quantidade de refeições que a família faz, vezes que se cozinha, frequência de compra de alimentos, e por aí vai. Lembrando que o cardápio semanal anda de mãos dadas com a compra de itens básicos da casa (aqui nós fazemos compra mensal de itens básicos e compra semanal de carnes, verduras e frutas).
Para quem quiser boas dicas de uma alimentação saudável e equilibrada, acompanhe a página da Mayra Maria no facebook!

Rotina de organização da casa: a limpeza

Tempo de leitura: 4 minutos

Muitas mulheres me procuram perguntando como consigo fazer tantas coisas durante os meus dias, principalmente a respeito da casa. A minha grande estratégia se resume em: organização, planejamento e rotina. Aliado a isso tenho dois outros fatores: o primeiro, a graça divina, sem a qual nada posso fazer. Em segundo lugar, o amor pelo serviço e uma natural disposição à ação, fruto do meu temperamento.

Apesar dessa proatividade, meu temperamento também tem tendências ruins como a procrastinação, a indisciplina e uma terrível dificuldade de terminar o que começo ou de executar o que proponho. Dessa forma, como a mulher de provérbios, procuro ‘não comer o pão da ociosidade’ e estar sempre fazendo algo dentro de uma rotina estabelecida (porém flexível) e ser perseverante em cada pequena atividade para realizá-la objetivamente e com tanta perfeição quanto posso.

Rotina de limpeza atual

Já li bastante sobre métodos de organização e fui testando e adaptando o que deles achava interessante. Isso é o que funciona para mim, na nossa casa, com todas as particularidades que temos. Isso pode ser completamente eficaz para alguns e totalmente ineficaz para outros. Então não tomem como regra, apenas como uma sugestão de algo que funciona muito bem para mim na prática e adaptem para as rotinas e casas de vocês, se for do interesse!

Atualmente, divido minha casa em zonas e cada dia da semana (segunda à sexta) faxino uma zona, enquanto no resto da casa faço apenas serviços básicos.  Aqui são 5 zonas, uma para cada dia da semana:

  • Quarto de casal + banheiro suíte  -> segunda feira
  • Quarto crianças + banheiro social -> terça feira
  • Home office + sala de estar + sala de jantar -> quarta feira
  • Cozinha -> quinta feira
  • Varanda + área de serviço -> sexta feira

Para cada zona eu tenho atividades semanais, quinzenais e mensais.  Por exemplo:

Na zona 1, toda segunda feira eu: troco roupa de cama, tiro poeira dos móveis, aspiro, lavo banheiro, lavo o chão, limpo rodapés, lavo o filtro do ar condicionado.

Somado a isso tenho 2 grupos de atividades quinzenais por zona, que são feitas então semana sim, semana não. No caso da zona 1 são: arrumação do guarda roupas e gavetas / arrumação do armário do banheiro e do armário de roupas de cama e sapatos.

E 4 atividades mensais, onde cada uma é realizada em uma semana do mês. No caso da zona 1, em cada segunda feira do mês tenho que realizar uma dessas quatro atividades: lavar a cortina / limpar a janela / trocar a colcha / jogar fora o que é lixo e separar para doação o que não uso.

Dessa forma, os cômodos estão sempre limpos e organizados! Se eu tivesse que fazer tudo isso em um único dia, seria impossível, ainda mais se fossem todas essas coisas de todos os cômodos juntos!

 Atividades básicas de limpeza da casa

Além das atividades de cada zona, tenho atividades que são realizadas diariamente em toda a casa: aspirar, passar pano, tirar poeira, lavar e guardar louças e limpeza básica dos banheiros.

Atividades próprias de cada dia da semana

Além de tudo isso, as outras atividades relacionadas a limpeza, divido por dias da semana. Por exemplo:

Segunda feira: dia de lavar minhas roupas e do Gabriel

Terça: dia de lavar roupas do Bento e passar roupas de todo mundo

Quarta: lavar roupas de cama e banho

Quinta e sexta ficam para a lavagem de extras: cortinas, almofadas, colchas, cobertas, tapetes…

Além disso, há atividades esporádicas que deixo para os sábados, para contar com a ajuda do meu esposo ao menos para ficar com o Bento enquanto eu realizo as atividades, como: limpar a horta, lavar tapete, arrastar móveis pesados, etc.

Dicas práticas

  1. Escrever em um papel as atividades de limpeza que precisam ser realizadas;
  2.  Organizar e dividir essas atividades pelos dias da semana, quinzenais, mensais, trimestrais, semestrais e por aí vai;
  3. Durante o dia, deixar o celular com a internet desligada ou então com as notificações silenciosas e apenas com som para chamadas;
  4. Se esforçar para dormir com a louça ao menos lavada: adianta muito o serviço do outro dia, além de que, acordar com a cozinha limpa dá outro ânimo na gente!;
  5. Antes de dormir, recolher todos os objetos espalhados pela casa e guardá-los no lugar;
  6. Não acumular muita coisa em casa: ter somente o básico facilita para limpar, para manter e nos educa a uma vida simples;
  7. Descobrir qual o melhor horário em que as crianças gostam de brincar sozinhas e aproveitar para fazer alguma atividade de casa;
  8. Inserir as crianças nas atividades: ao mesmo tempo que se torna uma brincadeira, a criança também vai adquirindo amor pelo serviço, por ajudar os pais;
  9. Dar responsabilidades de acordo com cada faixa etária das crianças: assim vão formando senso de responsabilidade pelo ambiente em que vivem e pelo trabalho;
  10. Dividir tarefas com o esposo, como levar o lixo para fora;
  11. Investir em roupas com tecidos que amarrotem pouco, assim só sacudindo e estendendo bem a roupa no varal evita de ter que passá-la;
  12. Lavar a louça enquanto cozinha.

Bom, assim é como funciona a rotina de limpeza aqui em casa. Nós já falamos sobre isso aqui e aqui. Nos próximos posts vamos falar sobre o planejamento financeiro, a rotina de oração, de estudo, o tempo de diversão, tempo com as crianças, tempo do casal, cardápio semanal e muito mais!

 

 

A importância da rotina – parte 2

Tempo de leitura: 7 minutos

Hoje retorno com a segunda parte do texto sobre a importância da rotina. Esta importante característica de uma vida virtuosa da qual muitos querem fugir, além dos efeitos já citados na parte 1 também ocasiona as seguintes vantagens:

Propicia o descanso

Ter uma rotina básica pré estabelecida descansa qualquer cérebro! Não é preciso gastar energia programando cada passo de cada dia. Podemos aproveitar essa energia pra outra coisa. No começo parece cansativo estabelecer objetivos, cumpri-los e ficar se programando, organizando. Mas depois, quando a rotina está efetivamente implantada, é um alívio. Automaticamente já sabemos o que devemos fazer e a melhor forma de realizar as atividades. Inclusive é aí que começam a sobrar minutos preciosos de descanso nos dias! Ou que servirão para realizarmos nossos hobbies. No meu caso, um tempo de leitura ou de cozinhar algo!

Além disso, o próprio ambiente ordenado já nos oferece descanso. Um ambiente em ordem traz paz, aconchego, serenidade, tranquilidade. Ele educa e traz o senso de beleza.

Precisamos ter em cada dia alguns momentos de descanso. Esses momentos não são tempo perdido, principalmente se forem dedicados a conversar e distrair-nos em família. O descanso não é ausência de ação, mas diversão, isto é, mudança de trabalho: uma leitura instrutiva ou amena para aquele cujo corpo está esgotado, o cultivo de um pequeno jardim, trabalhos de agulha, cozinhar, escrever, caminhar, e por aí vai.

Depois de alguns dias de observação, percebi que eu descanso muito enquanto cozinho. Dessa forma, principalmente em dias tenebrosamente difíceis, me esforço, apesar do cansaço desolador, em ir para a cozinha preparar um bom jantar: simples e delicioso. E tanto eu como meu esposo percebemos que não importa quão ruim tenha sido o dia, depois que estamos juntos, tendo rezado o Santo Terço e podendo apreciar uma refeição saborosa, parece que todas as coisas difíceis e ruins que aconteceram, são esquecidas e, assim, o dia termina bem. É uma de nossas estratégias de sobrevivência! Tem funcionado muito bem!

E também, quando o cansaço é extremo, como em momentos da chegada de um recém nascido, não há prejuízo em se substituir certas atividades pelo repouso. Nesse momento de alegria, mas também de dificuldade, a rotina deve tornar-se bastante flexível e básica até o bebê ir aos poucos tomando o ritmo da família.

Auxilia na quebra de vícios como procrastinação e indisciplina

O fato de um dever ser prioritário não significa, via de regra, que seja preciso dedicar-lhe a maior quantidade de tempo. Há duas maneiras de dar prioridade a alguma obrigação:

  1. Quando se dá importância primária à “qualidade” com que se realiza. Assim, a um homem que deve trabalhar por longas horas para sustentar a família, Deus muitas vezes lhe sugerirá: no dia de hoje, é prioritário dar ouvidos às preocupações da sua esposa, dedicar uma palavra de estímulo àquele filho. Isto não significa que Ele nos peça um tempo de que não dispomos. Pede-nos, sim, que, dentro do pouco tempo disponível, demos maior qualidade – qualidade de carinho, de interesse, de afabilidade – ao relacionamento com os da nossa casa. E isto é sempre possível.
  2. Prioridade “cronológica”. Não a que consiste em dedicar longo tempo, mas a que consiste em fazer o que é mais importante “quanto antes”, sem atrasos desnecessários.

Basta pensarmos na facilidade com que empurramos para depois deveres que certamente julgamos (mentalmente) primordiais. Temos consciência de que alguma coisa é importante e não pode ser largada; mas iludimo-nos, dizendo: “Mais tarde”; ou então: “Logo que me sobrar um pouco de tempo”. Infelizmente, esse tipo de reação é frequente quando se trata de deveres para com Deus: Missa dominical, oração, etc., ou de deveres relacionados com o serviço do próximo.

Superar a Preguiça

Um passo importante para sermos senhores de nós mesmos é o de superar a preguiça, um vírus silencioso que pode nos paralisar pouco a pouco. A preguiça se fortalece em quem não tem um norte, ou também em quem, tendo-o, não começa a andar em sua direção. Pôr a cabeça no que requer nossa atenção, evitar fugir do que supõe um pouco de esforço, não deixar para depois o que podemos fazer agora… Sobre esses hábitos se constrói uma personalidade ágil, forte e serena.

Também convém estar atento ao outro extremo, o ativismo desordenado, como diz São Josemaria: “Filho, que tua atividade não esteja em muitas coisas: se te apressares, não estarás isento de delito; se perseguires, não alcançarás e, se correres, não escaparás”. Para que a vida não nos afogue com seus infinitos requerimentos, será melhor tomar a iniciativa para distribuir nossa atividade nos tempos adequados, ou seja, planejar – sem ficar quadriculados – dando prioridade ao que deve estar em primeiro lugar e não ao que aparece em cada momento. Assim evitamos que o urgente se sobreponha ao importante. Logicamente, não é preciso programar tudo, porém evitar que a improvisação leve à perda de tempo porque simplesmente nos dedicamos a correr atrás do que acontece durante o dia. Neste sentido, dizia São Josemaria que “é preciso ter ordem porque não temos tempo de fazer tudo de uma vez”.

Em nosso dia há alguns momentos chave que podemos fixar previamente: a hora de dormir, a hora de acordar, os tempos que vamos dedicar exclusivamente a Deus, a hora de trabalhar, a hora das refeições. Depois está o campo de fazer bem o que devemos fazer, com rendimento, atenção e perfeição, ou seja, com amor. “Cumpre o pequeno dever de cada momento; faz o que deves e está no que fazes”, já ensinou São Josemaria. Trata-se, em última análise, de um programa de santidade que não tem limites, porque se ordena a um grande fim: fazer feliz a Deus e aos outros. Ao mesmo tempo, esse amor que nos leva a ter um horário nos indicará quando devemos “quebrar” o plano, porque o bem de outras pessoas o exige, ou por tantos outros motivos que se apresentam com claridade para quem vive em presença Deus.

Quem é laborioso aproveita o tempo (…). Faz o que deve e está no que faz, não por rotina nem para ocupar as horas, mas como fruto de uma reflexão atenta e ponderada. Por isso é diligente. O uso normal dessa palavra – diligente – já nos evoca a sua origem latina. Diligente vem do verbo diligo, que significa amar, apreciar, escolher alguma coisa depois de uma atenção esmerada e cuidadosa. Não é diligente quem se precipita, mas quem trabalha com amor, primorosamente. – São Josemaria Escrivá

A santidade “grande” está em cumprir os “deveres pequenos” de cada instante. (Caminho, 817)

Fazei tudo por Amor. – Assim não há coisas pequenas: tudo é grande. – A perseverança nas pequenas coisas, por Amor, é heroísmo. (Caminho, 813)

Promove a harmonia familiar

A ordem torna o lar habitável, permite que cada um tenha seu espaço em boas condições, favorece a harmonia no funcionamento de cada parte da casa. Quando alguém entra em um lugar limpo e ordenado, tende a respeitar essa limpeza e ordem; mas se chegamos a um lugar sujo e desordenado, não sentiremos nenhum respeito por esse ambiente. O verdadeiro luxo de uma casa está no cuidado com que todos se esforçam para fazer bem todas as coisas.

Os pais devem tornar a casa funcional e agradável, a fim de que o trabalho de conservação que ela requer seja rápido e racional, sem atropelar as pessoas que dela se ocupam, tomando-lhes o tempo e a energia. É conveniente que a mãe procure economizar seu tempo mantendo a casa em ordem, virtude quase fora de moda, mas tão prática e eficaz: aquela ordem que, segundo diz o ditado: coloca cada coisa no seu lugar e faz economizar tempo, fadiga e palavras destemperadas. O pai, por sua vez, deve procurar não considerar a casa somente como lugar onde finalmente pode enfiar os chinelos.

A ordem, a regularidade, a programação, adequada, a divisão do trabalho – de que os filhos participarão gradualmente – farão do lar um lugar de convivência feliz e serena, donde desaparece todo o tipo de mau humor. É necessário, pois, aprender a programar o tempo em função dos objetivos a que nos propomos. Se não tivermos objetivos, é fácil que o tempo se torne um tirano: estaremos sempre muito ocupados e qualquer coisa nos deixará aborrecidos.

Saber o que acontece nos dias e horários habituais torna mais fácil a transição de uma tarefa para outra. As crianças aprendem a cooperar com as atividades e até mesmo a antecipá-las, sentindo-se satisfeita por sua colaboração e sucesso.

A rotina permite uma melhor divisão de tarefas e abre espaço para organizar momentos juntos: como as refeições, distrações (como filmes, jogos, passeios), as orações e momentos de conversa. Traz a segurança e evita a ansiedade do que esperar de cada dia. Além disso, a ordem material nos dá a tranquilidade de saber onde encontrar cada coisa, o que evita a insatisfação, a insegurança e o mau humor.

Não é porque a rotina existe que deve ser exatamente cumprida sempre. Quebrar a rotina vez por outra é necessário para o ser humano. Às vezes uma louça pode ser deixada na pia para que um filme seja assistido em família, por exemplo. O rigor da rotina não deve transmitir a sensação de perda de liberdade. O bom senso e equilíbrio sempre devem ser mantidos.

O nosso século – escreve Jacques Leclercq – orgulha-se de ser o da vida intensa, e essa vida intensa não é senão uma vida agitada, porque o sinal do nosso século é a corrida, e as mais belas descobertas de que se orgulha não são as descobertas da sabedoria, mas da velocidade. E a nossa vida só é propriamente humana se nela há calma, vagar, sem que isso signifique que deva ser ociosa (…) Acumular corridas e mais corridas, não é acumular montanhas, mas ventos.

Façamos um horário, um “plano de vida”, bem meditado e bem distribuído– melhor se for por escrito –, que crie canais efetivos para todos os nossos desejos de fazer as coisas bem e de fazer o bem; vivamos fielmente esse plano, e então entenderemos por experiência o sentido destas palavras de São Josemaria Escrivá: “Quando tiveres ordem, multiplicar-se-á o teu tempo e, portanto, poderás dar maior glória a Deus, trabalhando mais a seu serviço” (Caminho, n. 80).


Referências

Tempo de leitura: 6 minutos

A virtude da ordem

Disse Santo Agostinho: sem ordem não há virtude ou como disse São Josemaria Escrivá: ”Virtude sem ordem? – Estranha virtude!”. Santo Agostinho também escreveu “pax omnium rerum tranquillitas ordinis” – “a paz de todas as coisas é a tranquilidade da ordem” .  A ordem é algo que vamos construindo na batalha de todos os dias: “começar pela tarefa menos agradável e mais urgente (…), ser perseverante no dever quando era tão fácil abandoná-lo, não deixar para amanhã o que temos de terminar hoje… E tudo isto para dar gosto ao Nosso Pai Deus!”

Falar nessas palavras – organização, planificação, rotina – evoca de imediato, nos tempos atuais, a frieza empresarial da produtividade e da eficiência. Parecem soluções muito boas para a indústria e o comércio e muito ruins para o coração e para a vida familiar. Muitos pensam assim e isso acontece porque não compreendem o verdadeiro sentido da virtude da ordem, uma virtude que precisa ser resgatada dos preconceitos que a desmerecem. Se não a reabilitarmos (a virtude da ordem) no nosso mundo de valores, veremos como a espontaneidade do amor e dos bons propósitos – que aparentemente é tão bonita e autêntica – se desvanecerá em ilusões e omissões.

“Sujeitar-se a um plano de vida, a um horário… é tão monótono! – disseste-me. E respondi-te: há monotonia porque falta Amor.” – São Josemaria Escrivá

A virtude da ordem, para o cristão, é uma maneira de praticar melhor o amor. O Senhor certamente nunca nos vai sugerir que abandonemos ou descuidemos das obrigações básicas diárias. Mas é bem possível que, se soubermos escutar a sua voz no fundo da consciência, percebamos que nos diz:  também é preciso saber parar, meditar e orar.
Em linhas gerais, são cinco os campos de atividades a serem ordenadas na vida de cada homem e todas estão inter-relacionadas:

  1. a religião (virtude da piedade),
  2. a família (virtude do amor e da amizade),
  3. o trabalho (virtude da laboriosidade),
  4. a sociedade (virtude da solidariedade, colaboração, convivência e amizade) e
  5. o descanso, esporte e cultura (virtude da convivência, alegria e inteligência).

”Se não tens um plano de vida, nunca terás ordem.” São Josemaria Escrivá

Ordem não é ativismo nem doença

Todos temos a experiência de que existe uma ordem que não é boa e que se poderia chamar «defensiva»: é a da pessoa que organiza muito bem os seus horários, mas não tolera que nada nem ninguém interfira neles, e se alguém tenta, cai sobre ela a ira do interrompido. Isso não passa da carapaça com que o egoísta se protege. Bem sabemos que essa ordem pode tornar-se doentia e atingir requintes de neurose, de mania.

Talvez já tenhamos conhecido pessoas que ficavam transtornadas porque alguém – esposa, filho, empregada – tenha tido ‘a ousadia’ de deslocar em poucos centímetros a posição exata que um livro devia ocupar na mesa do escritório. Da mesma forma que não faltam os que dramatizam qualquer interferência que lhes altere o horário de sono ou o fim de semana cuidadosamente planejado. Isto não é virtude, é doença espiritual e, talvez, psíquica. Assim como também não é virtude a ordem dos escravos da eficiência, que sobre o altar da “produtividade” ou do “sucesso” profissional sacrificam Deus, a saúde, a família e as amizades.

Todos deveríamos estabelecer e manter – e defender como algo de sagrado – pelo menos dez ou quinze minutos diários dedicados à meditação e ao exame de consciência: de manhã, antes de iniciar as atividades; ou pouco antes de nos recolhermos para descansar; ou aproveitando a possibilidade de visitar uma igreja numa hora tranquila, quando o silêncio do templo convida à intimidade com Deus.

Nesses momentos, a alma, com a graça divina, se torna transparente, se liberta da terrível força centrífuga do ativismo, e consegue voltar para o seu centro, esse “centro da alma” de que falam os santos, onde ela se encontra a sós com Deus. E essa voz de Deus, honestamente escutada, é a que nos esclarece quais são as prioridades e nos ajuda a hierarquizar, pela ordem de importância, os deveres a cumprir. Assim, estamos em condições de escolher o que é bom e grato a Deus.

Não ignoramos os obstáculos que existem para alcançar esta harmonia interior e exterior. Apesar de apreciarmos a grande atração que uma vida cristã plena constitui, muitas vezes experimentamos tendências diversas e, às vezes, contrárias. São Paulo o expressou com força:

“Quando quero fazer o bem, é o mal que se me apresenta. Como homem interior, ponho toda a minha satisfação na Lei de Deus; mas sinto em meus membros outra lei, que luta contra a lei de minha mente e me aprisiona na lei do pecado, que está nos meus membros.” –  Rm 7, 21-23.

Sentimos uma coisa e queremos outra, notamos que estamos divididos entre as coisas de que gostamos e o que devemos fazer, e, às vezes, a nossa vista acaba perdendo um pouco de luz. Como todos estamos expostos a esses pequenos desvios de rumo, o caminho é sermos simples e corrigirmo-nos com perseverança.

Melhor aproveitamento do tempo

Estabelecer prioridades é, certamente, uma das formas mais nobres da virtude da ordem: é colocar a ordem na mente e no coração. O cristão – e, em geral, todo homem ou mulher responsável –deve cuidar da prática da ordem no seu sentido mais simples e corriqueiro: a organização das atividades dentro dos horários de cada dia, a adequada planificação do aproveitamento diário do tempo. Ter um horário nos leva a aproveitar o tempo. Viver com um horário não nos ata, ao contrário: abre as portas para uma grande variedade de atividades diversas.

A ordem também nos leva a concentrar-nos no que estamos fazendo, não pretendendo fazer várias coisas ao mesmo tempo – o que geralmente leva a não concluir nenhuma. É muito mais eficiente terminar uma coisa e iniciar a seguinte. O verdadeiro trabalhador não se preocupa apenas de terminar a sua tarefa logo que possível; preocupa-se de produzir uma obra que esteja acabada, sem defeito, tão perfeita quanto possível. Não abandonemos uma tarefa enquanto houver algum detalhe que retocar.

Ter uma rotina evita o ócio, a preguiça e diversos outros vícios e nos impulsiona a crescer em virtudes. Permite que façamos uma vasta quantidade de atividades e com qualidade. Com a internalização da rotina vamos descobrindo que realmente temos tempo para tudo: mas ter tempo não significa ter muito tempo. Às vezes, por exemplo, o tempo que se tem para leitura diária são 5 minutos, mas sem esses 5 minutos não se leria absolutamente nada e se descuidaria da formação.

A rotina nos permite uma organização e melhor execução das atividades relacionadas ao nosso trabalho, evitando acúmulos, permitindo avanços e nos deixando flexíveis para lidar melhor com imprevistos. É necessário não omitir trabalhos que nos repugnam, nem inventar deveres adicionais que nos levariam a negligenciar e adiar os nossos deveres reais

Segurança e bem estar para os filhos (e também para os adultos)

O tempo para a criança algo complexo. É através das suas rotinas que a criança antecipa o que irá acontecer e adapta o seu comportamento à tarefa seguinte. As rotinas transmitem segurança à criança, deste modo a criança já sabe, por exemplo, que antes de jantar deve tomar banho. As principais rotinas que se devem manter com as crianças são: horas de refeição; hora de dormir; hora de estudar; hora de brincar, tempos em família e, é claro, momentos de oração.

Ter rotina é importante para desenvolver bons hábitos de sono e de alimentação. Além disso, diminui a ansiedade e transmite segurança. Afinal, saber o que vem em seguida elimina a curiosidade e a incerteza do depois, principalmente para as crianças. Ao desconhecer o que vem em seguida, uma dose de estresse é gerada inclusive nos adultos. Com a rotina adequada as crianças não ficarão aflitas pois saberão exatamente o próximo passo.

Uma família desorganizada, com horários irregulares – em que as refeições são servidas em horários diferentes, o banho e a hora de dormir não seguem nenhuma regra- forma crianças inseguras e desorientadas. A organização das atividades diárias não impedirá que a criança desenvolva autonomia. A coerência e a flexibilidade devem fazer parte do processo de estabelecimento das regras. Regras são essenciais e a rotina é referência na vida de crianças e adolescentes, porque direciona, organiza e equilibra suas vidas para mais tarde tornarem-se adultos diligentes.

Lembro-me que quando o Bento nasceu, senti muita dificuldade em estabelecer rotina. Mas com o passar dos meses fui percebendo que as tarefas começaram a se encaixar e a fluir melhor. Aos poucos fui retomando atividades antigas como leitura, fazer as unhas e também inserindo atividades novas, como um tempo reservado a levá-lo para brincar ao ar livre.

To be continued…

Continuarei este assunto tão importante numa próxima postagem, a parte 2!


Referências