Masculinidade

Sobre o comportamento dos homens com as mulheres

Tempo de leitura: 4 minutos

Muitos homens, até mesmo os que buscam viver sob os princípios cristãos, acham aceitável lançar olhares desejosos a outras mulheres. Para os senhores eu digo: ajam como homens!

Contexto

O mundo está em guerra contra a masculinidade. Basta uma simples ida ao shopping center para perceber que a masculinidade está sendo atacada de todos os lados: até mesmo encontrar roupas tipicamente masculinas pode ser uma tarefa hercúlea! Camisas de cores aberrantes, calças coladas e bermudas curtas que mais se parecem calções de banho. Na mídia vemos ataques a uma caricatural sociedade patriarcal e um incentivo a um modelo de homem muito pouco masculino: chorão e hiper-sensível.

Por outro lado, a reação daqueles que percebem tal guerra não pode ser buscar um modelo masculino nos filmes de guerra dos anos 80 quando Rambo e Conan faziam sucesso nas telas! A virtude da temperança pode muito bem ser utilizada neste caso.

Controle estes olhos

Andando nas ruas vemos homens que olham para mulheres como animais olham para suas presas. Nós, católicos, não podemos nos acostumar com tal comportamento pois… quando feito de forma consentida, trata-se de um pecado mortal e, portanto, causa a exclusão do Reino de Cristo e a morte eterna no inferno (CIC 1861).

Cabe aqui uma pequena ressalva: como pretendo explicar futuramente, só podemos pecar através de atos de vontade e portanto, algo feito de forma inconsciente não pode consistir em pecado.

É compreensível a dificuldade que nós, homens, passamos para controlar os olhares, vivemos num mundo hiper-sexualizado. Muitos de nós estamos feridos por este mundo: crescemos assistindo baixarias na tv aberta (basta procurar (melhor não) pelos programas que passavam na década de 90), as mulheres andam na rua se vestindo de uma forma que escandalizaria até mesmo as prostitutas de algumas décadas atrás. Reforço, isso apenas explica a situação mas de forma alguma a justifica.

Nosso Senhor é muito claro sobre este assunto:

“Eu, porém, vos digo: todo aquele que lançar um olhar de cobiça para uma mulher já adulterou com ela em seu coração.”  

Mt 5, 28.

Dica: quando vier um pensamento destes em sua imaginação, pense em algo bem concreto, nossa mente não é capaz de processar várias coisas ao mesmo tempo. Ex: Ao andar pela rua passa uma mulher mal-vestida e chama sua atenção. Olhe para um carro ou um poste e imagine como ele foi feito, observando detalhes de construção e design e logo o controle de sua imaginação voltará a você!

Sobre amizades entre os sexos

Eu defendo a tese de que um homem compromissado não deve ficar de papo furado com outras mulheres. Com a popularização dos sistemas de mensagens (facebook, whatsapp, instagram…) muitas pessoas ficam horas por dia conversando frivolidades. Surge ali uma familiaridade excessiva que, em momentos de fraqueza, pode levar a situações de pecado. São Tomás de Kempis esclarece:

Não abras teu coração a qualquer homem (Eclo 8,22); mas trata de teus negócios com o sábio e temente a Deus. Com moços e estranhos conversa pouco.

Imitação de Cristo, Cap 8, 1. São Tomás de Kempis.

É justamente disfarçando-se sob estas denominações “inofensivas” que a infidelidade se inicia: “simpatia”, “relacionamento cordial” e etc. Pouco a pouco, o sentimento vai crescendo até sair de controle.

Dom Rafael LLano Cifuentes revela que diversas vezes viu, enquanto direcionava alguma alma, bons esposos e honestas mães de família revelarem que estavam apaixonados como adolescentes por outra pessoa mesmo não pensando em abandonar seus cônjuges e filhos. E pensar que esta desenfreada paixão que estava colocando tudo a perder (inclusive o mair importante, sua salvação) havia começado com apenas um sorriso, um olhar, uma palavra meiga.

O homens devem entender que, por vezes, algumas mulheres podem iniciar esta aproximação por vaidade: devido ao pecado original, as mulheres tendem a se objetificar (e os homens a objetificá-las) e, portanto, podem cair na tentação de lançar olhares de sedução para se sentirem atraídas e basta um elogio para se iniciar a “longa marcha da vaca para o brejo”.

Algumas dicas sobre este tema:

  • Mantenha alguma reserva e frieza no trato social e profissional. Sem nunca cair na descortesia, é claro.
  • Evite conversas e contatos desnecessários.
  • Quando alguma mulher vier cumprimentá-lo, trate de esticar a mão direita para logo estabelecer que tipo de cumprimento se espera evitando assim calorosos e perigosos abraços.
  • Nunca dê carona sozinho para mulheres e evite ficar sozinho com elas (atenção professores, isso vale para atendimento aos alunos visto que é dificílimo se desvencilhar de uma acusação de assédio num local sem testemunhas).

Será natural, por outro lado, que se tenha amigas com quem converse na presença de sua esposa (ou namorada/noiva). Seria muito estranho, entretanto, que tratasse com elas no dia-a-dia em privado. Sendo sincero, gostaria que sua mulher conversasse frivolidades com outros homens todos os dias nas redes sociais? Espero que não!

Portanto, sigamos o conselho de São Josemaria Escrivá e tenhamos a “valentia de sermos covardes” pois, como diz o ditado popular, “a ocasião faz o ladrão”.

Uma amizade indispensável

Termino este texto comentando algo de que muitos se esquecem, amizade é amor mútuo e, portanto, se você é casado, tem uma grande amiga em casa: sua esposa. Os esposos, estes sim, podem (e devem) conversar e abrir os corações um para o outro. Devem tratar de tudo, desde problemas no trabalho e dificuldades com os filhos até, principalmente, questões da vida espiritual e de oração. Quem sabe não escreveremos um texto sobre a amizade entre os esposos um dia?

Almejemos, a exemplo de São Luís e Santa Zélia Martin, pais de Santa Terezinha, sermos almas que, unidas em matrimônio na terra, caminhem juntos a passos largos para a eternidade!

Aos prezados leitores, coragem! Que o glorioso São José interceda por nós e nos sirva de modelo homem justo e casto.

Esto Vir!


Referências

  • Caminho, São Josemaria Escrivá
  • As Crises Conjugais, Dom Rafael LLano Cifuentes

Gabriel é esposo da Rayhanne e pai do Bento e da Maria Isabel! Além disso, é membro da Terceira Ordem da Família do Verbo Encarnado. Trabalha como professor.Verso L´Alto - Beato Pier Giorgio Frassati

4 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *