Lírio entre espinhos

Uma família católica buscando a santidade

Tag: Família (page 1 of 5)

Indicações de livros para bebês de 0 a 2 anos

Tempo de leitura: 7 minutos

Muitas pessoas me perguntam sobre os livros que lemos para as crianças, por isso resolvi escrever este artigo, listando alguns livros e dando as razões por tê-los escolhido.

Até 1 ano

  • É um livrinho, Lane Smith
  • Uma lagarta muito comilona, Eric Carle
  • Bons sonhos, bichinhos, Harry Shaw
  • Você grande, eu pequenininho,  Lilli L’Arronge
  • Bíblia para crianças em rimas, Editora Paulinas
  • Meu primeiro livro dos Santos, Padre Reginaldo Manzotti
  • Fábulas de Esopo para os mais novinhos, Ed. Usborne
  • A casa sonolenta, Audrey Wood
  • O ratinho, o morango vermelho maduro e o grande urso esfomeado, Audrey Wood
  • O dia de chu, Neil gaiman
  • Adivinha quanto eu te amo, Sam Mcbratney
  • Mozart, pequeno gênio da música
  • A orquestra, Ed. Usborne
  • Ou isto ou aquilo, Cecília Meireles

De 1 a 2 anos

  • Primeiras palavras, Ed. Usborne
  • A árvore generosa, Shel Silverstein
  • A televisão da bicharada, Sidônio Muralha
  • O primeiro dia de Chu na escola, Neil Gaiman
  • O carteiro chegou, Janet e Allan Ahlberg
  • Meu reino por um cavalo, Ana Maria Machado
  • Na biblioteca da rua direita, Walter Lara
  • O rei bigodeira e sua banheira, Audrey Wood (indico todos da Audrey)
  • Meu grande livro de aprender, Editora Girassol
  • O nascimento de Jesus, o primeiro Natal, Lois Rock
  • A primeira Páscoa, Lois Rock
  • Linha, agulha, costura: canção, brincadeira, leitura, Carlos Nadalim
  • Coleção Mico Maneco (I) – Ed. Salamandra
  • Belos contos para meninos, Ed. Usborne
  • Apertada e sem espaço, Julia Donaldson
  • Coleção Os pingos, Mary e Eliardo França
  • Contos de fadas clássicos, Carol Lawson e Helen Cresswell
  • As aventuras de Pedro Coelho, Beatrix potter
  • Os fantásticos livros voadores de Modesto Máximo, William Joyce
  • Camilão, o Comilão, Ana Maria Machado
  • O nabo gigante, Aleksei Tolstói e Niamh sharkey

Nada de telas até os 2 anos de idade

Escolhemos, desde antes de o Bento nascer, que ele não teria contato com telas por um bom tempo. Inclusive, um tempo depois, tivemos acesso a uma pesquisa da Sociedade Americana de Pediatria que diz que crianças com menos de dois anos não devem ter contato com telas.

Em uma das primeiras consultas com o pediatra do Bento, dr. Marcos Santolin, ele nos alertou sobre o perigo das telas explicando que as crianças de até dois anos expostas às telas ficam hipnotizadas porque não enxergam como nós, mas veem as coisas como que girando. Além disso, essa exposição causa um empobrecimento das conexões neurais, problemas sérios com o sono, pouca memória, problemas de concentração e de visão, e até mesmo diminuição do potencial de inteligência.

dr. Ítalo Marsili fala também que o excesso de estímulos visuais provenientes das telas causa uma distorção da forma como a criança enxerga a realidade, principalmente porque o que é apresentado nas telas é diferente da beleza do mundo real. Apesar de serem considerados vídeos educativos, eles não são a solução para ensinar coisas para as crianças. Sobre esse assunto, indico esse vídeo do Dr. Ítalo Marsili, psiquiatra, em que explica o fenômeno do Video Deficit Effect. E também esse artigo do professor Carlos Nadalim.


A Catherine L’Ecuyer fala muito a respeito disso também, não só a respeito das crianças até 2 anos. Segundo Catherine, a superexposição a telas causa terríveis efeitos nas crianças:

  • ansiedade,
  • obesidade,
  • moleza,
  • preguiça,
  • problemas de visão e sono,
  • falta de concentração,
  • perda da motivação interna,
  • necessidade de mais e mais estímulos,
  • estresse,
  • incapacidade de lidar com o ritmo natural da vida,
  • impaciência,
  • nervosismo,
  • anula a criatividade e imaginação,
  • diminuição dos sonhos e apatia,
  • dificuldade de ficar consigo mesma,
  • dificuldade de relacionar-se (as pessoas são ruídos para elas, como a tv),
  • dificuldades com a linguagem, até mesmo o autismo está relacionado a isso.

Para nós foi uma decisão muito natural, pois não temos costume de assistir televisão. Além disso, através de leituras e de experiências de outras pessoas, percebemos que o excesso de tempo dedicado às telas causa moleza e vícios na criança. Além de tornar-se uma muleta para os pais, que dificilmente deixam de expor a criança às telas em qualquer oportunidade de conseguir que cesse uma pirraça ou de ganhar um descanso tão sonhado.

Penso que, realmente, se usássemos as telas como expediente educativo ou de distração para o Bento, eu certamente teria uma vida mais fácil em certo sentido. E justamente por isso decidi não usar em hipótese alguma, ou, para mim, acabaria se tornando algo que eu usaria sempre. Mas, por mais que pareça difícil, não sinto falta desse artifício. Há várias maneiras de lidar com a criança, como envolvê-la nas atividades, fazer rotatividade de brinquedos, cantar, e por aí vai. Se as telas fossem tão necessárias, como teriam sobrevivido as gerações passadas? Crianças precisam muito mais de quintal e paciência do que de vídeos, é o que pensamos.

Mas, em certas realidades, as telas ajudam, é verdade. Não quero dizer que somos melhores por isso, apenas mostro nosso esforço e o que nos levou a tomar essa decisão. Além de que, após os dois anos ou mais, pretendemos sim que o Bento assista desenhos infantis de boa qualidade, que tenham sido assistidos por nós antes e que possamos estar com ele ajudando a entender o que se passa. Os filmes e desenhos são expedientes educacionais e a criança precisa dos olhos dos adultos para entender o que se passa naquela realidade, qual lição deve ser aprendida, etc.

Dicas

  1. Se você costuma usar telas para distrair as crianças, substitua por leituras, ar livre, brincadeiras dirigidas, participação ativa nos serviços domésticos, diálogo, apreciação musical (apenas ouvir), dançar, etc; ou simplesmente não fazer nada pois eles precisam aprender a lidar com o tédio;
  2. Se você tem dificuldade de fazer qualquer coisa com as crianças sem dar um vídeo ”educativo” para ela, comece a substituir esse hábito por cantar com elas enquanto cozinha, conversar, deixar materiais do dia a dia da casa disponíveis para que explorem (potes de plástico, colheres de pau, etc) ou materiais divertidos (para desenho, massinha, etc);
  3. Para crianças maiores, use tempos específicos reservados apenas para isso e nunca apresente qualquer coisa. Assista antes e tenha sempre uma finalidade para aquilo que está mostrando a criança. Fique junto dela e comente o que estiver assistindo;
  4. Para os momentos das refeições, tenha paciência e deixe os dispositivos bem longe. Abençoe os alimentos, ensine-as a se portarem a mesa (principalmente pelo exemplo), a apreciarem os alimentos e aproveite esse tempo de estar a mesa para conversar e criar boas memórias. A mesa da família é um dos três altares da casa católica;
  5. Dê bom exemplo. Arrume um cantinho para o celular e deixe-o lá. Avise para que te telefonem se for preciso resolver algo. O que for secundário e notificações de redes sociais deixe para checar em momentos específicos do dia. Desligue as notificações dos aplicativos e se for preciso exclua os que mais te distraem.
  6. Dê bom exemplo. Desligue a TV e dê um fim naquele irritante barulho de fundo que estressa, irrita e incomoda. Se for o caso mude a TV de cômodo, desligue da tomada. Esconda os demais dispositivos como tablets.
  7. Parece uma escolha difícil mas, além de estaremos fazendo pelo bem deles, vocês vão ver que com o passar dos dias as coisas se ajeitam e ficam mais fáceis! Deus nos livre de deformar os nossos filhos e fazer deles molengões problemáticos. E é para o nosso bem também. Ainda que seja abrir mão de certo conforto, os benefícios são muito maiores como por exemplo a melhor disposição à obediência.
  8. Nada é mais importante do que nosso cônjuge e filhos e daremos conta a Deus de cada segundo gasto inutilmente, de cada má escolha e colheremos lá na frente o fruto do que plantamos hoje.

Muita leitura em voz alta

Com ensina o professor Carlos Nadalim, do blog Como educar seus filhos, após o nascimento do bebê, a leitura em voz alta proporciona uma série de benefícios, como:  estreitamento da relação afetiva entre pais e filho,  desenvolvimento da compreensão auditiva, treinamento da memória auditiva de curto prazo, enriquecimento do vocabulário, entendimento gradual de que a palavra escrita representa a palavra falada, aquisição do gosto pelos livros e pela leitura (para tanto, é importante não só que os pais leiam para os filhos, como também que os filhos vejam os pais lendo sozinhos).

Algumas dicas para escolher bons livros de histórias para as crianças de até 4 ou 5 anos

  1. As ilustrações são o que mais atrai a atenção da criança em um livro. Por isso, as imagens devem ser belas, com riqueza de traços e detalhes. Devem, sobretudo, ser uma bela representação da realidade. Assim, também devemos aproveitar os momentos de leitura para ensinar nossos filhos a apreciar a beleza e a arte.
  2. Alguns tipos de ilustração podem desagradar, confundir e perturbar as crianças. São as ilustrações: disformes, distorcidas, desproporcionais, as representações de figuras humanas ou animais com economia de traços e expressões, as ilustrações psicodélicas, as ilustrações confusas onde o bem está representado pelo feio e o mal pelo bonito. É preciso que as imagens tragam para a criança uma ampliação do imaginário mas sem desfigurá-lo. Um desenho de uma árvore deve parecer com uma árvore. Para isso também são preferíveis as ilustrações que parecem desenhos feitos por uma mão humana ao invés dos digitalizados.
  3. Além das imagens, é preciso que o livro tenha uma boa sonoridade do texto. Para isso é bom ler o livro em voz alta antes de comprá-lo, para ver se o texto é atraente. Livros com rimas são sempre um sucesso! Também é legal ver se ao longo da história há frases repetidas, pois elas mantêm a atenção das crianças.
  4. Verifique se o livro contém boa estrutura de frases, amplo vocabulário, se a história tem um bom enredo e o que ela ensina para a criança. Contar uma história é abrir uma porta para um mundo que embora seja mágico, usa emoções, elementos e comportamentos do mundo real.
  5. Dê preferência a: contos clássicos, fábulas de Esopo, histórias bíblicas e de santos. Também é legal ter um ou dois livrinhos sonoros.

Referências

  • Carlos Nadalim, Como Educar seus filhos
  • Dr. Ítalo Marsili, Afetividade Infantil e Harmonia Familiar
  • Helena Lubienska, Silêncio, gesto e palavra
  • Catherine L’Ecuyer, Educar na Curiosidade

Esposa, Mãe, Ordem Terceira VE

“Desejo que Jesus me triture interiormente para que eu me torne uma hóstia pura onde Ele possa repousar.” (Sta Teresa dos Andes)

O nascimento da Maria Isabel: “Amar é tudo dar e dar-se a si mesmo.” (Santa Teresinha)

Tempo de leitura: 6 minutos

“O meu coração está pronto, meu Deus” (Salmos 57,8)

Talvez eu deva começar esse relato com um pouco da história do nosso pré-natal e a escolha do dr Frederico e da Pati, minha doula tão querida, que mais uma vez esteve conosco.
Quem leu o relato do parto do Bento viu que não tive um parto fácil e, na verdade, também nem tão humanizado assim, já que tivemos alguns problemas que não convém relatar aqui. O fato é que o primeiro parto, apesar de ter sido bom, me foi custoso por estar insegura e com medo. Mesmo tendo me preparado e estudado fui pega de surpresa por certas intervenções que me deixaram abalada, além dos pródromos quase eternos.
Então para este parto nós não pensamos duas vezes em procurar o dr Frederico, que, por já ter partejado amigas minhas e por acompanharmos seu trabalho maravilhoso, já tínhamos a confiança necessária e um princípio de vínculo que se estreitou durante os meses seguintes, tão importante para este momento. Isso foi decisivo para que eu tivesse uma experiência incrível do parto: me sentir segura com a equipe que me acompanhava.
Muitas pessoas me perguntam sobre ter uma doula. Eu espero em breve poder trazer para vocês um texto apenas sobre esse assunto. Mas, se posso adiantar algo, seria para dizer que ter uma doula é tudo de bom. Eu me lembro bem que antes de passar pela primeira experiência de parto eu ainda tinha minhas dúvidas e ressalvas a respeito de ter uma doula. Depois que a tive, eu recomendo para todo mundo! Em especial, Pati e eu temos uma relação tão bonita. Apesar do pouco convívio, tenho com ela uma conexão tão forte… ela sabe o que gosto, o que não gosto, meu ritmo, minhas fraquezas, minhas forças, sabe ser o silêncio que me conforta, a mão que me guia, o consolo que me alivia e tanto mais. Gabriel mesmo disse depois deste segundo parto que Pati e eu ”temos algo”. E é verdade. Ter uma doula é muito mais do que alguém para fazer exercícios e massagens. Mas isso é assunto pra depois.
As semanas foram passando, os incômodos finais da gestação chegando e os dias ficando literalmente mais pesados. No último mês a Maria Isabel já tinha descido tanto pela minha pelve que me era difícil andar e até mesmo virar na cama. Dias difíceis, mas bem aventurados os filhos gerados na Cruz, pois só a Cruz fecunda todas as obras.
Chegamos, pois, às 40 semanas e eu já estava fisicamente cansada. Então comecei a perder tampão na sexta feira, dia 22 de junho. Eu só pedia a Jesus que me desse a graça de entrar em trabalho de parto logo, porque não queria ficar dias em pródromos. Eu já estava cansada fisicamente e temia pelo cansaço psicológico. Mas seguia confiante, principalmente por contar com tantos amigos, entre eles seminaristas, padres, irmãs, monges, rezando pelo nosso momento. A sexta passou, as contrações tentavam um ritmo e paravam. Eu não sentia dor, apenas pressão no baixo ventre e incômodo na lombar.
Decidimos aproveitar o final de semana para curtir e passear, já que eu sabia que podia ficar dias assim. Então saímos, fomos ao parque, caminhamos, brincamos, comemos coisas gostosas e ficamos bem juntinhos, no nosso silêncio, na nossa intimidade.
Na segunda de manhã acordei com contrações sem ritmo mas, de certa forma, doloridas. Eu sabia que algo havia mudado. Fomos para a consulta, dr. Frederico me mandou catar conchinhas na praia (hahahahha), o que obviamente não fui fazer porque só queria ficar deitada. Gabriel ficou comigo o resto do dia e eu consegui descansar bem.
Rezei muito, cantei com a alma ao bom Deus dizendo que meu coração estava pronto. Eu queria este parto, eu desejava estas dores. Mas as contrações permaneciam sem ritmo e com incômodo.
Ao fim do dia, já não consegui jantar direito. Depois, colocamos o Bento para dormir. Mal ele pegou no sono e minhas contrações intensificaram. Enfim eu havia relaxado. Estavam de 1 em 1 minuto mas com pouca duração. Eu já não conseguia ficar deitada. Ligamos para o dr Frederico que enviou a Telemi (enfermeira) pra cá pra me avaliar. Eu estava com 8 cm. As contrações eram pouco doloridas, eu estava muito tranquila e conversávamos bastante entre elas. Contei casos e casos… (hahaha) Minha doula chegou logo depois e fomos para o hospital.
Não me lembro direito os horários em que as coisas foram se desenrolando, mas sei que o parto foi rápido, embora na minha cabeça pareça que durou uma eternidade. Dessa vez eu estava tão serena que até me assusto quando lembro. Eu conhecia o processo, eu havia aceitado e desejado estas dores e estava unida ao bom Jesus. Eu não cansava de repetir para mim mesma, neste santuário interior que é a minha alma, que o sacrifício por amor é gozo.
Chegando ao hospital, fomos direto para a sala de parto. Chuveiro, bola, dormi entre as contrações e percebi uma certa parada de progressão. Mas não me preocupei, confiava no meu corpo, na minha capacidade de dar à luz, a presença da Pati e da Telemi me eram toda conforto e calma. Rezava a Santa Coleta e a Santa Margarida. Dizia ao bom Jesus que queria subir o meu monte calvário e dar tudo.
Por fim só conseguia ficar na banqueta. A bolsa rompeu. As contrações apertaram e ficaram muito intensas. Mas nem por isso insuportáveis. O intervalo entre elas parecia uma eternidade. Eu dormia, conversava, ria e reclamava também: sentia um sono absurdo. Ficava perguntando quando ela ia nascer e por que não tinha pedido analgesia, que estava arrependida (hahahahaha). Esse período foi o mais longo. Nessa hora não queria ninguém a não ser o Gabriel. Louvado seja Deus pela presença firme, constante e segura do meu esposo durante os partos das nossas crianças. Definitivamente não me vejo passando por tudo isso sem tê-lo ao meu lado.
Até que eu senti ela girando e descendo de vez. Desesperador! Dei um berro, queria levantar e sair correndo. Dr Frederico era tão calmo que minha vontade era dar uns tapas nele. (hahaha, desculpa aí dr. Fred, nada pessoal!) Por fim, nasceu nossa menina! Lenta e serenamente veio ao mundo me trazendo tanta doçura. Veio em baixa luz, no silêncio absoluto que eu tanto amo, rodeada de amor, de respeito, de tempo, de paciência, de entrega. Nasceu às 1:28am do dia 26 de junho, com 41 semanas, 48 cm e 3870 kg, no dia de São Josemaria Escrivá, o santo do cotidiano.
No outro dia eu já queria parir de novo. Quando lembro do parto da Maria Isabel sou inundada por uma onda de doçura. Sinto-me impelida e desejosa de passar por isso tantas vezes quanto o bom Deus queira me abençoar. E também, medo, de ter sido a última vez. Sigo abandonada nas mãos Dele que me faz pequena diante de Seu grande amor.
Eu desejo a todas as mulheres não um parto sem dor, mas um parto onde a dor seja transformada em amor e então tudo se torna doce, embora não sem sofrer. Desejo que encontrem equipes tão maravilhosas quanto a que eu tive (e espero continuar tendo rsrsrs).
Há algo que nos faz genuinamente mulheres: gestar e dar à luz. Se há obra mais grandiosa e cheia da glória de Deus do que gerar uma criança, eu desconheço. Ser tabernáculo vivo, ter a mão divina tecendo um ser em nosso ventre, tocando o nosso corpo e infundido uma alma eterna neste pequenino confiado a nós, é não só maravilhoso, mas também impactante e radical, pois nos muda completamente. Trazer ao seio um milagre, um ser que com sua vida e desenvolvimento proclama a glória de Deus é algo estupendo que somente a bondade divina poderia criar. Receber este privilégio é um grande dom.
Não deixemos que passe a nossa vida, que passem os filhos que Ele nos quer dar. Não deixemos que nossa vida seja um rastro estéril e inútil. Estamos aqui para, morrendo, viver. Que pode haver de maior e mais feliz do que servir ao bom Deus, aceitando e realizando Sua Santíssima Vontade? Reclamemos, pois, o que verdadeiramente nos pertence: um corpo feito para dar vida; gerando, gestando, dando à luz e educando para o Céu.
——
Contatos:
Patrícia Roshner- https://www.facebook.com/patriciarohsner.shantala
Dr. Frederico Bravim- https://www.facebook.com/drfredericovitorino/

Esposa, Mãe, Ordem Terceira VE

“Desejo que Jesus me triture interiormente para que eu me torne uma hóstia pura onde Ele possa repousar.” (Sta Teresa dos Andes)

Planejamento Financeiro Familiar Católico – Diretrizes

Tempo de leitura: 7 minutos

No último artigo, explicamos sólidos fundamentos pelos quais as famílias católicas devem realizar um bom planejamento financeiro. No artigo de hoje, trazemos boas diretrizes para bem fazê-lo.

Diretrizes para um planejamento familiar católico

Tal como aponta o (Compêndio da Doutrina Social da Igreja) CDSI em seu artigo 360:

“Para contrastar este fenômeno [do consumismo] é necessário esforçar-se por construir ‘estilos de vida, nos quais a busca do verdadeiro, do belo e do bom, e a comunhão com os outros homens, em ordem ao crescimento comum, sejam os elementos que determinam as opções do consumo, da poupança e do investimento’. É inegável que as influências do contexto social sobre os estilos de vida são notáveis: por isso o desafio cultural que hoje o consumismo apresenta deve ser enfrentado de modo mais incisivo[…].”.

Como adquirir uma casa maior para nossa família crescente, se mal conhecemos nossas despesas mensais, não realizamos ajustes e não poupamos o suficiente? Se posso economizar algum valor por mês e utilizá-lo para um investimento de médio e longo prazo (aluguel ou compra de uma casa maior, o pagamento de uma boa educação para os filhos, por exemplo), para que comprar itens supérfluos (roupas, celulares, etc.) quando o que já temos nos atende? Se podemos fazer as refeições em casa, com nossas famílias, conversando e fortalecendo o convívio, por que fazê-las fora de casa, sozinhos, pagando mais caro e comendo, muitas vezes, alimentos não sempre saudáveis? Como reservar recursos para a ajuda aos necessitados e às obras da Igreja se mantemos o hábito de consumir bens supérfluos?

O ponto crucial das questões acima é: qual o custo de oportunidade das opções que renuncio e qual o impacto disso no equilíbrio financeiro da família e alcance de seus objetivos conjuntos. O custo de oportunidade é um conceito de ampla utilização em economia, relacionado à ideia de otimização.

“Acordamos com o custo de oportunidade todos os dias. Quando o despertador toca, pensamos na melhor escolha a fazer: dormir mais 10 minutos ou ‘pular’ da cama e chegar no trabalho no horário? Comparando a satisfação do sono extra com a de chegar cedo no trabalho, muitos travam o despertador e dormem mais 10 minutos! (GONÇALVES, 2010, p. 20).”. “[…] Um consumidor que compra um bem [ou faz uma escolha], mas poderia comprar [ou escolher] outro, incorreu num custo de oportunidade. O bem comprado [ou escolha feita] lhe dá satisfação, mas o que deixou de comprar [ou de escolher] foi uma oportunidade que também lhe daria satisfação. O custo de oportunidade de escolher o primeiro é a satisfação perdida por ter desistido da melhor alternativa seguinte à escolha que fez. […] O custo de oportunidade permite comparar o que se obteve (satisfação ou lucro) e o que se deixou de obter. […] (GONÇALVES, 2010, p. 19-20).”.

Nesse contexto, o artigo 358 do CDSI aponta que

“[…] hoje, mais do que no passado, é possível avaliar as alternativas disponíveis não somente tomando por base o rendimento previsto ou ao seu grau de risco, mas também exprimindo em juízo de valor sobre os projetos de investimento que os recursos irão financiar, na consciência de que ‘a opção de investir num lugar em vez de outro, neste setor produtivo e não naquele, é sempre uma escolha moral e cultural'”.

Considerando o exposto propomos um “passo a passo” para auxiliar as famílias católicas a exercitarem um bom planejamento financeiro:

PassoComentário
1) Conhecer detalhadamente a receita da família

 

É preciso ter em conta que esforços de trabalho poderão ser maiores em alguns momentos para aumentar a receita e alcançar objetivos definidos ou menores em função de flutuações econômicas e de emprego – nesse caso, será necessário proceder com ajustes nas despesas correntes.

 

2) Conhecer detalhadamente as despesas da família

 

É de bom alvitre manter a prática de identificar oportunidades de enxugamento de despesas e de negociação de preços e formas de pagamento.

 

3) Estabelecer objetivos e metas familiaresa) Objetivo é o propósito de realizar algo, é aonde se quer chegar. É ele que fornece a direção do que se deseja fazer, serve como guia. É a posição que se deseja ocupar no futuro, o sonho que se deseja realizar (LOBATO et al., 2012). Ex.: Objetivo: adquirir uma casa maior para a família crescente.

 

b) Metas são tarefas específicas para alcançar os objetivos. A meta é o objetivo de forma quantificada. Após priorizar os objetivos, eles precisam ser transformados em desafios intermediários no curto prazo, ou metas. As metas são temporais e estritamente ligadas a prazos. Uma boa dose de estímulo e desafio deve ser colocada na determinação das metas, porém, é preciso elaborar metas factíveis (LOBATO et al., 2012). Ex.: Objetivo: adquirir uma casa maior para a família crescente; Meta 1: Economizar x em y anos (meses); Meta 2: Trocar a casa w para a z, no valor h, em j anos.

 

c) Devem ser estabelecidos objetivos e metas familiares de curtíssimo (menor que 1 ano), curto (1 ano), médio (2-5 anos) e longo (maior que 10 anos) prazos.

4) Definir as melhores opções financeiras para o alcance dos objetivos e metas definidos e com base no conhecimento de receitas e despesas familiaresComprar à vista ou a prazo? Utilizar cartão de crédito ou dinheiro? Utilizar capital próprio ou empréstimo? Aplicação em renda fixa ou variável?
5) Definir plano de ação para alcance dos objetivos, por meio do detalhamento das metas

 

a) Os objetivos e metas estabelecem o que será alcançado e quando os resultados serão obtidos, mas eles não dizem como os resultados serão alcançados. Para cada objetivo, portanto, é necessário que se definam as estratégias para a sua viabilização. Esse conjunto de conceitos e ações pode ser organizado com a elaboração de um plano de ação. O plano de ação é uma ferramenta significativa no processo de desdobramento, organização e execução de estratégia. O processo de elaboração envolve aspectos técnicos, administrativos e pedagógicos, estabelecendo um balanceamento entre a responsabilidade individual e o compromisso coletivo (LOBATO et al., 2012).

 

b) Para uma rápida identificação dos elementos necessários à sua implementação, o plano de ação pode estruturar-se pela ferramenta 5W2H, que significa: what (o que será feito?); who (quem fará ?; when – quando será feito?; where – onde será feito?; why – por que será feito?; how – como será feito?; how much – quanto custará?) (LOBATO et al., 2012).

6) Monitorar constantemente receitas e despesasPara auxiliar o monitoramento, devem ser utilizadas planilhas e programas específicos de gestão financeira.
7) Realizar ajustes no planejamento familiar

 

Os itens 3, 4 e 5 devem ser analisados constantemente e revisados de acordo com eventuais mudanças de objetivos da família.

 

Felizmente, são cada vez mais comuns os serviços de assessoria financeira que podem ajudar às famílias, principalmente, no início de sua caminhada. Quem não tem condições de contratar tais serviços pode obter informações resumidas na internet, tal como pretendeu este artigo.

É necessário, como explanado anteriormente, cultivar bons hábitos que possibilitem uma católica gestão financeira familiar, tais como:

  • Criar na família uma cultura de diálogo e de planejamento financeiro familiar;
  • Contribuir com o dízimo e com outras obras da igreja;
  • Incentivar os filhos a participarem de trabalhos de ajuda ao próximo, preferencialmente em ações da igreja, criando uma cultura de caridade e solidariedade;
  • Incentivar aos filhos a ajudar nas atividades domésticas, criando uma cultura de disciplina, organização e co-responsabilidade, bem como a participarem de trabalhos remunerados, desenvolvendo o hábito do planejamento, trabalho em equipe, respeito à hierarquia e da meritocracia;
  • Incentivar desde cedo os filhos a participarem na construção e no alcance dos objetivos e das metas familiares;
  • Criar o hábito de poupar na família (diferentemente da avareza, um dos pecados capitais, a poupança possibilita o alcance dos objetivos familiares), evitando gastos com bens supérfluos;
  • Criar o hábito de acompanhamento de receitas e despesas, ajustando-as aos objetivos e metas familiares.

A necessidade das Virtudes: Naturais (adquiridas) e Sobrenaturais (infusas)

Como nos direciona claramente o artigo 359 do CDSI, o

“uso do próprio poder aquisitivo há de ser exercido no contexto das exigências morais da justiça e da solidariedade e de responsabilidade sociais precisas: Não se há de esquecer o dever da caridade, isto é, o dever de acorrer com o ‘supérfluo’, e às vezes até com o ‘necessário’, para garantir o indispensável à vida do pobre”.

Para fechar este ensaio optou-se por retomar a ideia das Virtudes, pois tudo o que fazemos deve ser para a Maior Glória de Nosso Senhor Jesus Cristo. Para tanto, recorramos ao que o Padre Royo-Marín nos explica sobre as virtudes naturais e sobrenaturais.

As Virtudes Naturais são aquelas adquiridas naturalmente, independentemente da graça e da ordem sobrenatural. Por mais estimáveis que sejam em sua ordem e plano correspondente, são totalmente desproporcionadas e ineptas para a vida sobrenatural que há de viver o cristão. Se os atos constantemente repetidos são bons, adquire-se pouco a pouco o hábito bom correspondente, que em teologia moral recebe o nome de virtude natural ou adquirida. Tais são, por exemplo, a prudência, a lealdade, a sinceridade, a honradez natural, etc., adquiridas naturalmente a custo da repetição de seus atos correspondentes.

Já as Virtudes Sobrenaturais, ou Infusas, são aquelas infundidas por Deus juntamente com a graça, para que possa operar sobrenaturalmente, e o divino, com ajuda dos dons do Espírito Santo. Possuem dois grupos fundamentais: Virtudes Teologais (apenas três: fé, esperança e caridade) e Virtudes Morais (subdivididas em: cardeais – prudência, justiça, fortaleza e temperança; potenciais ou derivadas – ex.: humildade, obediência, paciência, castidade, perseverança, etc.). As Virtudes Morais estão em perfeita analogia e paralelismo com as correspondentes Virtudes Naturais (adquiridas). As Virtudes Teologias são estritamente divinas, porque têm por objeto direto e imediato o próprio Deus, e não têm, pela mesma razão, virtudes correspondentes na ordem natural adquirida.

A família deve, portanto, por meio da oração, pedir a Deus que a infunda de Virtudes Sobrenaturais (Teologais e Morais) e praticar as Virtudes Naturais, adquiridas por meio da repetição constante. Assim, poderá controlar seus vícios e evitar pecados, tais como, preguiça, avareza, ganância, inveja, em busca de sua santificação.


Referências

  • Catecismo da Igreja Católica. Edição Típica Vaticana. São Paulo: Edições Loyola, 2000.
  • Compêndio da Doutrina Social da Igreja. São Paulo: Paulinas, 2005.
  • LOBATO, D. M. et al. Estratégia de empresas. 9. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009. 208 p.
  • GONÇALVES, A. C. P. et al. Economia Aplicada. 9. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010. 152 p.
  • DUHIGG, C. O poder do hábito – por que fazemos o que fazemos na vida e nos negócios. Rio de Janeiro, Objetiva, 2012. 407 p.
  • ROYO-MARÍN, A. Ser santo ou não ser… eis a questão – Compêndio da obra Teología de La perfección cristiana. 1 ed. Campinas, SP: Ecclesiae, 2016. 371 p.
  • AQUINO, F. R. Q. Família: santuário da vida – vida conjugal e educação dos filhos. 23. ed. Lorena, SP: Editora Cléofas, 2016. 232 p.
  • LINDENBERG, A. Uma visão cristã da economia de mercado. São Luís, MA: Resistência Cultural, 2017. 247 p.

Marcos Eugênio Lopes é presidente e fundador do Centro Anchieta.

Esposo da Raphaela e pai da Maria.

Older posts